Início » Argentina aumenta imposto sobre ‘Dólar turismo’, atingindo turista brasileiro

Argentina aumenta imposto sobre ‘Dólar turismo’, atingindo turista brasileiro

por Redação
Argentina aumenta imposto sobre 'Dólar turismo

Argentina aumenta imposto sobre ‘Dólar turismo

Turistas brasileiros com planos de viajar para a Argentina vão ser atingidos por um aumento considerável no imposto que incide sobre operações em moeda estrangeira no chamado “Dólar turismo” ou “Dólar tarjeta”. O aumento, anunciado na quinta-feira (14) pela Administración Federal de Ingresos Públicos (Afip), organismo de arrecadação de impostos da Argentina, será de 10% – indo de 35% a 45%. No comunicado, a Afip descreveu a medida como destinada “a fortalecer a frente fiscal” do país.

Essa mudança atinge o consumo em viagens e gastos no exterior. Ou seja, turistas brasileiros serão afetados, principalmente se estiverem viajando com o intuito de fazer compras na Argentina, ou até mesmo gastar em cassinos, que são alguns dos principais destinos de quem viaja, já que a jogatina não é legal no Brasil. O lado bom é que é possível driblar os custos do Dólar turismo jogando de forma online com as plataformas disponíveis no cassinos.info – elas são licenciadas em seu país de origem e a legislação brasileira não as impede de atuar por aqui, já que elas possuem sede no exterior. Esses sites têm todos os jogos que vemos nos estabelecimentos físicos, com a vantagem de cobrarem em Real e oferecerem bônus de boas vindas e promoções a novos jogadores.

Brasil mais afetado

Além dos gastos no exterior, o aumento impactará os pagamentos em cartão de crédito para empresas sediadas fora do país, como serviços de streaming estilo Spotify e Netflix, por exemplo. Os argentinos também precisariam recorrer ao Dólar paralelo sem o Dólar turismo – o que encarece a viagem ainda mais. Segundo a nota oficial, essa decisão é parte das medidas tomadas para “garantir o equilíbrio fiscal e promover a solvência do Estado como promotor da atividade econômica”.

Isso indica que, além de afetar o turista brasileiro, o Brasil em si sofrerá certo baque com esta medida. O nosso país é o que mais recebe argentinos por ano. Em 2019, por exemplo, ano que antecedeu a pandemia, quase dois milhões de turistas argentinos entraram em território brasileiro. Em 2018, esse número era de 2,5 milhões, equivalente a 38% dos visitantes estrangeiros no Brasil.

Até mesmo durante a pandemia os índices de argentinos visitando o Brasil se mantiveram altos – 50% do fluxo habitual, mesmo com a prolongada quarentena argentina e as restrições de voos.

Segundo o presidente da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), Sílvio Nascimento, nosso país precisa recuperar os níveis de turismo estrangeiro anteriores à pandemia em 2023. Com essa notícia a respeito da Argentina, a meta se torna mais difícil de ser alcançada.

Conversões

Já para o tupiniquim que visita o país vizinho, é preciso prestar atenção no sistema argentino de câmbio, que conta com pelo menos 13 tipos de conversão. Além do Dólar comercial, paralelo e turismo, a Argentina conta com os câmbios “Bolsa”, “vinho”, “trigo” e muitos outros. Segundo o economista-chefe da Fundación Libertad y Progreso, Eugenio Mari, “tantas cotações são resultado de controles, impostos às exportações e política econômica errática”.

O economista acredita que a tendência é de ainda mais desvalorização para o Peso, principalmente com a combinação dessas distorções econômicas com os níveis baixíssimos de reserva – exatamente o valor mínimo definido pelo Fundo Monetário Internacional, US$3,2 bilhões. É discutida uma possível desvalorização da moeda de pelo menos 40% no mercado.

Já o brasileiro que viaja deve prestar atenção. Apesar do Real ter se valorizado em relação ao Peso, usar cartão de crédito na Argentina deve ser evitado ao máximo. Isso porque o câmbio através de um meio oficial é feito pelo Dólar, e sobre as compras no cartão também incide o IOF de 6,38%.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via