Início » Contrastes sociais da Zona Sul dão o tom de “Coringa”, espetáculo inédito de Renata Mizrahi

Contrastes sociais da Zona Sul dão o tom de “Coringa”, espetáculo inédito de Renata Mizrahi

Autora assina a direção da peça que estreia dia 13 de janeiro na Casa de Cultura Laura Alvim, com as atrizes Bianca Sacks e Bruna Macaciel no elenco

por Redação
Coringa

Observadora perspicaz do cotidiano, a autora Renata Mizrahi — vencedora do Prêmio Shell em 2015, com a peça “Galápagos” — ficou impressionada com um quiprocó que tomou conta da Praça Nossa Sra. da Paz, em Ipanema, pouco antes da pandemia. Frequentadora do local com o filho pequeno, Gael, ela viu uma babá ser acusada, sem provas, de envenenar parte do gramado, com o suposto intuito de matar cachorros. O incidente, que colocou em primeiro plano não só a rixa entre mães de cães e de crianças, mas a questão da coexistência e os contrastes sociais da Zona Sul, inspirou Renata a dar forma ao texto “Coringa”. A obra dialoga com o universo do cotidiano que as atrizes Bianca Sacks e Bruna Macaciel, da Cia DUE, estavam justamente buscando para seu novo trabalho. “Há cinco anos estamos conversando com a Renata sobre a ideia de montar uma peça com esse enfoque”, contam Bianca e Bruna, idealizadoras do espetáculo.

Na peça, que estreia dia 13 de janeiro no Espaço Rogério Cardoso, na Casa de Cultura Laura Alvim, as atrizes dão vida às personagens Lia (Bianca Sacks) e Mara (Bruna Macaciel), duas estranhas que se encontram em um apartamento em Ipanema para discutir quem deu veneno de rato a Coringa, o cachorro de Mara que quase morreu. Enquanto Mara tem certeza de que foi a babá do filho de Lia a culpada, e deseja uma punição, Lia, por sua vez, culpa Mara por permitir que seu cachorro invada a área das crianças em vez de ficar restrito ao Carandiru, nome do espaço destinado aos cães.

Este embate que beira o nonsense, propõe uma crítica, com humor ácido, à nossa distópica realidade, feita de tantos paradoxos — afinal, em um ambiente urbano, na Zona Sul carioca, a riqueza convive de perto com a pobreza, naturalizando absurdos. Assim, fica em evidência na peça a “branquitude” e suas mazelas.

“Falamos da bolha. Essa encenação é para criticarmos essas situações. Nossa proposta é gerar um debate sobre o privilégio da elite branca e como isso, constantemente, leva à cegueira e a um enorme abismo social. A quem pertence a verdade? Todo mundo tem a sua e ninguém quer abrir mão dela. Gosto de observar o macro pelo micro, colocando densidade em situações aparentemente banais e cômicas, mas propulsoras de reflexões”, diz a autora e diretora.

Para dar forma ao espetáculo, Renata optou por uma concepção minimalista, que vai na direção do teatro surrealista, dando luz à própria situação absurda que o texto apresenta. “A encenação tem o objetivo de revelar a hipocrisia das personagens, sem medo de explorar mudanças bruscas de jogo de cena a cada degrau da peça”, explica.

A cenografia e figurinos são de Guilherme Reis (vencedor na categoria Melhor Direção de Arte do Prêmio FICC 2019 de cinema) e a trilha sonora e o design de som levam a assinatura de Felipe Dias. O desenho de luz é dos iluminadores Rommel Equer e Maurício Fuziyama.

O espetáculo “Coringa” foi contemplado pelo edital Retomada Cultural 2 da Secretaria de Estado e Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro. O texto recebeu ainda uma menção honrosa no Concurso Nacional de Dramaturgia Carlos Carvalho 2022, Porto Alegre, RS. Depois da temporada carioca, o espetáculo fará um circuito pela Região Serrana para mais quatro apresentações, totalizando 20 sessões.

Ficha Técnica

  • Renata Mizrahi: Texto e Direção
  • Elenco: Bianca Sacks e Bruna Macaciel
  • Diretora Assistente: Gizelly de Paula
  • Cenário e Figurinos: Guilherme Reis
  • Desenho de Luz: Rommel Equer e Maurício Fuziyama
  • Trilha sonora original e design de som: Felipe Dias
  • Fotografia e Vídeo: Dalton Valerio
  • Design Gráfico: Leticia Rumjanek
  • Assessoria de Comunicação: Dobbs Scarpa
  • Direção de Produção: Fernanda Avellar
  • Idealização: Cia DUE
  • Realização: Trestada Produções

Serviço

  • De 13 de janeiro a 12 de fevereiro
  • Sextas e sábados, às 19h
  • Domingos, às 18h
  • Espaço Rogério Cardoso.
  • Casa de Cultura Laura Alvim
  • Av. Vieira Souto, 176 – Ipanema, Rio de Janeiro – RJ
  • Telefone: (21) 2332-2016
  • Classificação: 14 anos.
  • Duração: 50 min.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via