InícioExposiçãoDesign de Porcelana Pintada à Mão com Tema do Rio Paraná é...

Postagens relacionadas

Design de Porcelana Pintada à Mão com Tema do Rio Paraná é Doado para a ONG Nóiz na Cidade de Deus

Na busca por apoiar os projetos da ONG Nóiz, Gustavo Portela adotou uma abordagem solidária ao oferecer uma linha completa de porcelana composta por oito pratos pintados à mão. Intitulada de “Coleção Rio Paraná”, essa linha possui uma narrativa significativa por trás de sua criação.

“Minha conexão com o André é de longa data e sempre admirei as iniciativas que eles promovem na Cidade de Deus. Agora é o momento de retribuir”, compartilhou Gustavo.

Os pratos, fruto da genialidade artística de Gustavo, conquistaram os olhos de André Melo, presidente da ONG, que elogiou o trabalho e expressou a intenção de unir forças. “A estética dos pratos é magnífica e Gustavo é um talentoso artista com quem tive a oportunidade de colaborar. Nossos caminhos se cruzaram, e estamos unidos nessa causa. Planejamos realizar uma rifa online. Os fundos arrecadados contribuirão para manter a infraestrutura do projeto”, afirmou André Melo.

A Coleção Rio Paraná: Uma Homenagem a uma Maravilha Natural Perdida

A uma distância de 200 quilômetros das deslumbrantes Cataratas do Iguaçu existiu um tesouro natural ainda mais deslumbrante: o Salto de Sete Quedas, uma sucessão de 18 majestosas e imensas cachoeiras situadas no Rio Paraná.

Retidas para o funcionamento da Usina Hidrelétrica de Itaipu, as Sete Quedas, até o início da década de 1980, ostentavam o título de maior cascata do mundo em termos de volume de água, sendo duas vezes mais poderosas que as Cataratas do Niágara.

O estrondo ensurdecedor das águas podia ser ouvido a 30 quilômetros de distância, evocando admiração e espanto. Contudo, em um período de 14 dias, o Salto de Sete Quedas foi engolido pelas águas do Rio Paraná. Em 27 de outubro de 1982, o imenso lago artificial estava completamente formado, e as quedas espetaculares haviam desaparecido, um evento amplamente documentado pelas emissoras de televisão da época.

Carlos Drummond de Andrade, durante esses 14 dias de desaparecimento das cachoeiras, imortalizou o evento com sua poesia emotiva, começando assim:
“Sete quedas por mim passaram
e todas sete se esvaíram.
Cessa o estrondo das cachoeiras
e com ele a memória dos índios,
pulverizada,
já não desperta o mínimo arrepio.”

É através da lembrança desse monumento natural que adornou o Sul do Brasil que Gustavo Portela lançou a “Coleção Rio Paraná”. Essa coleção inclui os pratos intitulados Traíra, Carazinho, Lambari, Piau, Cachara, Mandi, Barbado e Tucunaré, todos reverenciando a história e a beleza efêmera das Sete Quedas.

Sobre a Nóiz 
A ONG Nóiz nasceu em 2018, no território do Brejo, na Cidade de Deus, zona oeste do Rio de Janeiro. Iniciou suas atividades em uma sede tímida, ao lado de barracos de madeira, onde pessoas viviam sem saneamento básico e em completa situação de vulnerabilidade. Um dos menores índices de desenvolvimento humano do estado e altas taxas de violência e, aos poucos, foi crescendo de acordo que transformava o ambiente e a vida dos moradores com poder da inclusão e resgate da dignidade daquela comunidade.   As atividades são independentes de incentivos políticos ou religiosos, e sua continuidade é exclusivamente ancorada através de doações de pessoas físicas e apoio privado.
Com o conceito de ‘Acolher, Educar e Emancipar’, o projeto conta atualmente com dois cursos de alfabetização e um de reforço escolar, aulas de esporte e dança, e atividades de informática básica e um pré-vestibular social, que já ingressou mais de 10 alunos em faculdades públicas.   A intenção da ONG não é substituir o Estado e sim complementar aquilo que já é dado. Da alfabetização ao ENEM, a Nóiz dá aulas de reforço e tem uma central tira-dúvidas, além de prover aulas e espaços para cultura e esporte. Sempre pensando em tirar esses jovens das ruas.

Últimas postagens

Compartilhe
Send this to a friend