Início » Guerras
José Karini

Guerras

Renato Carrera dirige José Karini em seu primeiro monólogo, no qual reflete sobre as guerras humanas. O espetáculo mistura, a partir do conceito do sampler, falas de mais de 30 personalidades mundiais. A estreia é dia 23 de março no Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro

por Redação

As guerras acompanham o homem desde tempos imemoriais. Através delas, nações e regras se estabeleceram. Isso tudo a um preço: a perda de populações e a de bens culturais, apagados da História. A palavra guerra ganhou novos conceitos. O mundo contemporâneo é rico em exemplos que vão (muito) além da disputa territorial e política entre Rússia e Ucrânia. As guerras são também entre ideologias e facções, culturais e existenciais. Os pontos de vista são pautados por ideias e externados pela fala, gerando discursos. Os pensamentos de mais de 30 nomes sobre as idiossincrasias humanas estão reunidos em Guerras, primeiro monólogo de José Karini, com o qual o ator celebra 30 anos de carreira. Essas falas compõem um roteiro dramatúrgico assinado por Sidnei Cruz para o espetáculo, cuja direção é de Renato Carrera. A encenação conta com direção de arte de Daniel de Jesus. A estreia é no Teatro III do Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro no dia  23 de março de 2023, e a temporada vai até 30 de abril, de quinta a sábado, às 19h, e, aos domingos, às 18h, com ingresso a R$ 30.

Essas falas foram retiradas de discursos, entrevistas, obras literárias e letras de músicas, entre outras fontes, de nomes – a maioria relacionada à Cultura Ocidental e atuante entre os séculos XX e XXI – de diferentes correntes ideológicas que refletem sobre os conflitos e as vicissitudes humanas. O mais antigo deles certamente é Jesus Cristo, cujas ideias, propagadas por seus apóstolos, têm forte tom humanista. A lista inclui ainda Mahatma Gandhi (1869-1948), símbolo do pacifismo no mundo, pensadores como Einstein (1879-1955) e Gilles Deleuze (1925-1995), lideranças políticas como Fidel Castro (1926-2016), o primeiro-ministro britânico Winston Churchill (1874-1965), o presidente russo Putin e grandes nomes das artes como Charles Chaplin (1889-1977),  Caetano Veloso e Chico Buarque, entre outros.

A partir da junção desses discursos surge um novo, justamente o dramatúrgico, criado a partir do conceito literário do sampler – e o que é ele afinal? O sampler revolucionou a indústria fonográfica, nos anos 1980, por inserir numa gravação fragmentos sonoros, que podem ir do canto ao trecho de um arranjo. Nas artes, a ideia de samplear seria colocada em prática antes até do advento tecnológico. E o Brasil tem exemplos já nos anos 1970: a poesia de Waly Salomão (1943-2003) e o show “A cena muda”, de Maria Bethânia, revolucionário pelo roteiro composto por fragmentos de canções.

A costura entre os discursos ganha ainda mais corpo através do olhar do diretor Renato Carrera, indicado aos mais importantes prêmios teatrais do país e ao lado de quem Karini aprofunda a parceria iniciada com “Vestido de noiva”, de Nelson Rodrigues (1912-1980), que deu ao diretor o Prêmio Questão de Crítica em 2013. A parceria passa ainda pelos espetáculos “Malala, a menina que queria ir para a escola”; “Ielda – Comédia trágica”; “Por detrás de ‘O Balcão’” e, mais recentemente, pela montagem de “O Balcão”, de Jean Genet (1910-1986).

E, unidos, levam à cena a concretização de ideias que, em comum, versam sobre aspectos político, artístico e existencial da vida. No corpo, na voz e no entorno do intérprete transparecem os diferentes tipos de guerras – políticas, culturais, sociais e internas – com as quais temos de lidar cotidianamente. Desde que o mundo é mundo.

José Karini:

Formado pela CAL UniRio e pela Angel Vianna, com especialização em Filosofia e Literatura pela PUC-Rio, o ator estreou no teatro com a montagem de “A alma quando sonha é teatro”, com direção de Marcio Viana em 1993.  Integra desde 2001 a companhia Os Dezequilibrados, criada juntamente com Ivan Sugahara, com a qual realizou mais de 30 espetáculos. Ao longo da carreira, trabalhou com Felipe Vidal, Moacyr Chaves, Adriano Coelho e Fernando Lopes Lima, entre outros diretores.

GUERRAS

Ficha técnica:

  • Atuação: José Karini
  • Direção: Renato Carrera
  • Dramaturgia: Sidnei Cruz
  • Direção de Arte, Figurino, Cenário e Programação Visual: Daniel de Jesus
  • Iluminação: Leandro Barreto
  • Assistência de Direção: Jean Marcel Gatti
  • Trilha Sonora: Renato Carrera e Jean Marcel Gatti
  • Preparação Corporal: Simone Nobre
  • Fotos: Sabrina da Paz
  • Mídias Sociais: Lucas Gouvêa
  • Assessoria de Imprensa: Christovam de Chevalier
  • Direção de Produção: Renato Carrera
  • Produção Executiva: Renan Fidalgo
  • Colaboração Trilha Sonora: Adriano Sampaio

Sinopse: Com direção de Renato Carrera, José Karini atua no monólogo – o primeiro em 30 anos de carreira –, no qual junta, a partir do conceito do sampler, falas de mais de 30 personalidades mundiais sobre conflitos da vida humana, motivados por questões políticas e existenciais.

Serviço:

  • Centro Cultural Banco do Brasil
  • Rua Primeiro de Março, 66 – Centro – Rio de Janeiro / RJ
  • Informações: ccbbrio@bb.com.br | bb.com.br/cultura
  • Teatro III (2º andar)
  • Temporada: de 23 de março a 30 de abril de 2023
  • Dias e horários: de quinta a sábado, às 19h, e, aos domingos, às 18h
  • Duração: 60 minutos
  • Classificação etária: 16 anos
  • Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia), à venda no site do CCBB ou na bilheteria física
  • Estudantes, maiores de 65 anos e Clientes Ourocard pagam meia entrada.

Siga o CCBB RJ nas redes sociais:

twitter.com/ccbb_rj/ | facebook.com/ccbb.rj | Instagram: @ccbbrj

Você pode gostar

Deixe um comentário

Share via