Início » Instalações inéditas do escultor colombiano Jorge Rodríguez-Aguilar ocupam o terreiro do Paço Imperial

Instalações inéditas do escultor colombiano Jorge Rodríguez-Aguilar ocupam o terreiro do Paço Imperial

por Renata Pretti
Escultor Jorge Rodríguez-Aguilar na montagem da Exposição

Exposição traz quatro instalações que apresentam situações de ritualização de elementos da natureza que simbolizam, descrevem e transmitem a força da natureza por meio de uma linguagem poética e contemporânea

Abertura dia 30 de novembro, no Paço Imperial

Entre os dias 30 de novembro e 17 de fevereiro, o Paço Imperial recebe a exposição “Soluções alternativas para um futuro incerto”, um conjunto de quatro instalações inéditas, do escultor colombiano Jorge Rodríguez-Aguilar, na qual se colocam relações de imantação do espaço e do espectador. A exposição conta com a curadoria do crítico de arte Marcelo Campos e será inaugurada no dia 30 de novembro, gratuita, ocupando os 275m2, na sala Terreiro do Paço, localizada no térreo do Paço Imperial, no Centro do Rio de Janeiro.

As instalações apresentam situações de ritualização de elementos da natureza, como chifres, plantas, sal grosso, onde o trabalho com madeiras e metais apropriados e reutilizados se transmutam em esculturas. E, ora, de outro modo, estamos diante de elementos do cotidiano, como ralos, que viram chocalhos, plantas de plástico que se conectam com plantas vivas que vão somar na construção dessa narrativa. A circulação entre as obras nos coloca em movimento como um corpo em processo ritual.

O artista lida com imagens e formas que trazem tanto questões das práticas ritualísticas latino-americanas, misturando saberes indígenas, africanos e europeus, quanto a própria condição de apropriação colonial que marcou a exploração da natureza através das práticas extrativistas. O resultado de sua pesquisa estética, traz a sintonia do Brasil e da Colômbia com a condição de sua “africanização latina”, apresenta-se como um outro modo de conectar fronteiras que, muitas vezes, nos afastaram pela diferença de colonizações.

O título “Soluções alternativas para um futuro incerto” traz uma provocação para o diálogo e a interlocução com o público. Reinvestindo a arte do seu poder simbólico e de suas relações de imantação do espaço e do espectador, o artista propõe quatro núcleos de instalações, com dimensões e formatos variáveis, em que as esculturas e objetos são suspensos e podem ser percorridas e algumas podem ser tocadas pelo espectador. “Nesta pesquisa, procuro uma ‘bricolagem’ de elementos que de uma forma ou de outra simbolizem, descrevam e transmitam a força da natureza por meio de uma linguagem poética e contemporânea da arte.” Jorge Rodríguez-Aguilar

As instalações estão divididas em quatro núcleos: o das Plantas Protetoras que traz um conjunto de plantas de plástico, como “Espada de São Jorge”, “Babosa”, “Arruda”, “Comigo ninguém pode” entre outras plantas, consideradas na visão popular, como protetoras contra energias negativas e mau olhado. São transformadas em “amuletos suspensos” que se relacionam no espaço com um núcleo das mesmas plantas, mas vivas e organizadas num círculo central no chão; o das Árvores Mutantes com um conjunto de onze “árvores mutantes” de diversos tamanhos. Estas esculturas surgem a partir da descoberta do artista do corte em 11 pedaços de uma árvore de origem amazônica chamada Pau Mulato, de aproximadamente 15 metros de altura. Os galhos da árvore original se transformam em uma espécie de forquilha que se acoplam na copa das novas árvores como estilingues em alerta a sua defesa. As árvores mutantes são suspensas por cabos de aço e flutuam de cabeça para baixo se espelhando, cada uma com uma muda viva, ou mais, de uma mesma espécie (Pau Mulato) posicionadas verticalmente no chão; o dos “Penduricalhos” formado por nove conjuntos de ganchos metálicos que carregam diversos elementos criados pelo artista como “amuletos”, visuais, táteis e também sonoros que alertam e pedem proteção contra o desmatamento das florestas e seus efeitos devastadores; e o dos Cochos, uma releitura de um conjunto de cinco a sete cochos de madeira para alimentar o gado que são suspensos, preenchidos, alguns com sal grosso e outros com arroz cru. Dois elementos utilizados em diversas culturas para afastar as energias negativas e maus espíritos.

A exposição ocupará um espaço total de aproximadamente 275m2, na sala Terreiro do Paço, no andar térreo do Paço Imperial do Rio de Janeiro.

A exposição será acompanhada por um Projeto Educativo, sob coordenação da socióloga e educadora Renata Bernardes Proença, produtora executiva da exposição, e tem por objetivo dinamizar o encontro e a interlocução do público com a exposição e os processos da arte de Rodríguez-Aguilar. Para tanto, um carrinho desenhado pelo artista, cheio de curiosidades, fará a mediação com o público, através de encontros e propostas de “oficinas criativas”. Entre as suas diversas funções, o carrinho também fará a ligação entre a exposição e o público que circula na Praça XV. Vale lembrar que a arquitetura colonial do Paço Imperial e o fato da exposição ser montada num espaço térreo, se beneficiam dessa característica de ligação direta da construção com a calçada e seu entorno.

Sobre Jorge Rodríguez-Aguilar

Jorge Rodríguez-Aguilar, nasceu em Barranquilla, Colômbia e mora no Rio de Janeiro, Brasil desde 1998. O artista desenvolve uma obra escultórica, em seu atelier em Pedro do Rio/Petrópolis, baseada numa pesquisa pessoal onde elabora uma ponte entre a linguagem artística contemporânea com a cultura popular e tribal. A sua obra busca um questionamento dos códigos visuais e critérios contemporâneos estabelecidos pelos centros da arte ocidental, aos quais temos tido acesso através da história da arte. Reavaliando esses critérios, busca trabalhar com referências mais próximas da sua realidade Latino Americana para assim oferecer uma troca mais autêntica nesse mundo globalizado.

Suas obras estão atualmente nas coleções do MAM Bogotá, MAM Cartagena e em coleções particulares na Europa, América Latina e nos EUA, e na Galeria Eduardo Fernandes, em São Paulo.

Para mais informações, acesse www.jorgerodriguez-aguilar.com.br

Serviço
Exposição: Soluções alternativas para um futuro incerto
Data: De 30 de novembro de 2022 a 17 de fevereiro de 2023
Endereço: Praça XV de novembro, 48 – Centro, Rio de Janeiro
Telefone: (21) 2251.2622
Funcionamento: De terça a domingo, e feriados, das 12h às 18h
Entrada gratuita

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via