Início » Musical sobre Nara Leão volta ao Rio de Janeiro

Musical sobre Nara Leão volta ao Rio de Janeiro

O musical NARA – A MENINA DISSE COISAS fará única apresentação em Niterói, dia 10 de fevereiro, às 20h, no Centro Petrobras de Cinema. Em cena, Aline Carrocino e Marcos França revivem personagens marcantes em texto de Hugo Sukman e do próprio França

por Redação
NARA – A MENINA DISSE COISAS

O Brasil conheceu uma cantora que foi popular e contundente  – quando unir tais características era possível. E influente, quando isso não era medido por likes ou views. E plural, como outras só seriam nos anos 1990. E corajosa, tanto por dar voz a canções que criticavam as mazelas do país quanto por suas declarações, muitas delas contra o governo militar de então. Essa cantora, única por ser tão multifacetada, era Nara Leão, que saiu de cena em 1989, após lutar por anos contra um aneurisma. Nara volta a ter sua vida contada (e cantada) no teatro. “Nara – A menina disse coisas”, musical escrito pelo jornalista Hugo Sukman em parceria com o diretor e ator Marcos França, volta a Niterói, onde cumpriu temporada em 2018, para única apresentação em fevereiro. A personagem é vivida por Aline Carrocino, também produtora do projeto, idealizado pelo jornalista Christovam de Chevalier. Aline divide a cena com França, que personifica os papéis masculinos, e mais cinco músicos. A montagem, com direção artística de Priscila Vidca e musical de Guilherme Borges, foi selecionada pelo edital Retomada Cultural 2, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro para apresentação, dia 10 de fevereiro, às 20h, no Centro Petrobras de Cinema (Sala Nelson Pereira dos Santos).

O texto aborda momentos marcantes da vida da artista entremeando-os com mais de 15 canções, todas significativas do seu repertório. O ponto de partida é um show de Carlos Lyra em idos dos anos 80, quando o cantor é surpreendido pela presença de Nara na platéia. Ela sobe ao palco e, na hora de cantar, tem um dos seus lapsos de memória, cada vez mais comuns. Essa característica é o artifício para a primeira das muitas mudanças de tempo na trama. E a vida da cantora começa a ser esmiuçada, sem, contudo, seguir uma ordem cronológica. Entre as passagens, sua emancipação aos 16 anos, seu encontro com Ronaldo Bôscoli, com quem romperia relações em seguida (e consequentemente com a bossa nova), a descoberta do tumor, sua aproximação do samba de morro, das canções de protesto, da Tropicália e o exílio na França, de onde, volta apaziguada com a bossa nova e com outros clássicos do cancioneiro brasileiro, os quais visitaria já consagrada.

Nara tinha o hábito de anotar alguns de seus sonhos num caderno. E parte desses registros também foi usada pelos autores, que os costuram a declarações da artista, muitas delas à grande imprensa, além de fontes outras como o poema escrito por Carlos Drummond de Andrade para a cantora – e do qual os autores tiraram o título para o musical. Drummond é, aliás, um dos muitos personagens interpretados por Marcos França, que dá voz também ao pai de Nara e a nomes como Carlos Lyra e Ronaldo Bôscoli, entre outros tantos.

E as dualidades enfrentadas por Nara estão todas ali. Talvez a principal delas seja entre a figura humana e a persona artística. “Não sou musa de nada!”, declara num dado momento. E em se tratando de um musical, as canções são peças-chaves. O roteiro inclui temas como “Primavera” (Lyra e Vinicius), “Carcará” (João do Vale, do emblemático show “Opinião”), “Se é tarde me perdoa” (Lyra e Bôscoli) e canções daquele que foi o compositor mais presente no repertório da intérprete: Chico Buarque. São músicas como “João e Maria”, “Soneto”, “História de uma gata” (do musical “Os saltimbancos”) e, claro, “A banda”, a primeira das muitas canções que gravaria do autor. O compacto com essa música, vale dizer, vendeu 50 mil cópias – feito que desbancou Frank Sinatra na época.

Desbancar o cantor favorito de Bôscoli foi apenas um dos muitos feitos de Nara Leão. Uma cantora que abriu portas para suas colegas de geração e às vindouras. Uma mulher que não se deixou calar ou abater – nem nos seus momentos finais. Se alguém perguntar por ela, é só dizer que está logo ali, no Teatro Ipanema.

ROTEIRO MUSICAL

Você e eu (Carlos Lyra / Vinicius de Moraes)

Primavera (Carlos Lyra / Vinicius de Moraes)

Desafinado (Tom Jobim / Newton Mendonça)

Deus vos salve esta casa santa (Caetano Veloso / Torquato Neto)

Lindonéia (Caetano Veloso / Gilberto Gil)

Se é tarde me perdoa (Carlos Lyra / Ronaldo Bôscoli)

Cabra macho (Guto / Mariozinho Rocha)

Como será o ano 2000? (Padeirinho)

Little boxes (Malvina Reynolds / versão Nara Leão)

Opinião (Zé Keti)

Vence na vida quem diz sim (Chico Buarque / Ruy Guerra)

A banda (Chico Buarque)

Soneto (Chico Buarque)

Carcará (José Cândido / João do Vale)

João e Maria (Chico Buarque / Sivuca)

Mambembe (Chico Buarque)

A saudade mata a gente (Antônio Almeida / João de Barro)

História de uma gata (Luis Enrìquez Bacalov / Sergio Bardotti / adaptação Chico Buarque)

Além do arco-Íris (Harold Arlen / E.Y.Harburg / versão Nara Leão)

Diz que fui por aí (Hortênsio Rocha / Zé Keti)

EQUIPE TÉCNICA

Idealização: CHRISTOVAM CHEVALIER

Dramaturgia: HUGO SUKMAN e MARCOS FRANÇA

Direção: PRISCILA VIDCA

Direção Musical: GUILHERME BORGES

Elenco: ALINE CARROCINO & MARCOS FRANÇA

Músicos: RALPHEN ROCCA (violão/guitarra), GUILHERME BORGES (teclado), ERICK SOARES/VICTOR GONÇALVES (sopros), DAVID NASCIMENTO (Baixo Acustico), LEO BANDEIRA (Bateria)

Iluminação: PAULO CÉSAR MEDEIROS Cenário: PATI FAEDO

Figurino: PAULA STRÖHER

Desenho de som: BRANCO FERREIRA

Assessoria de Imprensa: CHRISTOVAM CHEVALIER

Fotografia: JANDERSON PIRES

Produção Executiva: IGOR VELOSO

Direção de Produção: ALINE CARROCINO (Alce Produções) & MARCELO AOUILA (Essegaroto Aouila)

Realização: ALINE CARROCINO & GUILHERME BORGES

SERVIÇO

 

Apresentação:  dia 10 de fevereiro (sexta-feira), às 20h no Centro Petrobras de Cinema – Sala Nelson Pereira dos Santos (Av. Visconde do Rio Branco, 133, São Domingos, Niterói)

Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

Duração: 70 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via