Início » Nós não nascemos para ser um nada

Nós não nascemos para ser um nada

por Shirley M. Cavalcante
Jordhan Lessa

Jordhan Lessa, 55 anos, homem trans, pai, avô e sobrevivente à expulsão de casa o que acarretou a vivência em situação de rua, internação compulsória em dois manicômios, internação em uma instituição para menores infratores, sendo a sua infração; ser visto como “diferente” por não corresponder aos padrões sociais esperados dos idos anos 1980. Sobrevivente de inúmeras violências e entre elas o que hoje se conhece como “Estupro Corretivo” como se através da violência sexual alguém pudesse mudar a orientação afetiva sexual ou a identidade de gênero de outra pessoa, dessa violência gestou e decidiu dar à luz ao seu filho que hoje, aos 38 anos, constituiu família e gerou o neto que ressignificou as dores sofridas em silêncio, pois deixar que a vida acontecesse, permitiu que novas histórias sejam escritas e mudem o futuro.

“O grande diferencial é ser o protagonista das histórias que abordo, ser um homem trans que fala de vivência fazendo um mix elencando questões sobre educação, empregabilidade, saúde e direitos da população trans pelo viés da sensibilização e humanização trazendo reflexões, é a proposta.”

Boa leitura!

Palestrante Jordhan Lessa, é um prazer contarmos com a sua participação na edição especial, Coach, Palestrantes, Consultoria e Empreendedorismo.  Conte-nos, em quem momento deu início a realização das palestras?

Jordhan Lessa – Agradeço o convite e espero atender as expectativas. Tudo começou quando lancei meu 1º livro em 2014, nele fiz uma narrativa autobiográfica desde as minhas origens, que eram desconhecidas para mim, até o ano de 2013 quando me reconheço como uma pessoa trans, mas especificamente um homem transgênero. Precisei encerrar um ciclo para iniciar outro sem o peso das violências do passado para ter certeza de que a minha decisão não era uma fuga, afinal já estava com 47 anos, fiz o que se conhece como transição tardia e precisava falar sobre os desafios pelos quais passei e sobrevivi. Foram as narrativas desse livro junto ao fato de ser reconhecidamente o primeiro servidor público trans da cidade do Rio de Janeiro que despertaram o interesse de alguns setores e os convites começaram a chegar.

Desde então, o número de palestras vem crescendo. Você é escritor, e aborda algumas temáticas, que são trabalhadas em suas palestras, em seus livros, apresente-nos os livros publicados. 

Jordhan Lessa – Sim, tenho trabalhado bastante e acredito que falar de diversidade pelo viés da sensibilização e humanização tem sido fundamental. No 1º livro “Eu Trans – A alça da bolsa – Relatos de um transexual” (2014, Ed. Metanoia) abordo aspectos de uma pessoa trans na fase infantil, adolescente e juventude que ainda não sabia o que era transexualidade, mas já passava pelo preconceito e julgamento sem saber qual lugar ocupava, era lido como uma lésbica masculina e isso me deixava sem lugar.

O 2º foi uma experiência digital com o e-book “Quem Somos” (2018, produção independente) que traz informações didáticas sobre questões da transgeneridade.

Já o 3º é o “Missão Vencer” (2021, Ed. Proverbo) dou continuidade ao “Eu Trans…” sete anos após a transição trazendo um pouco das experiências, dúvidas e surpresas de me ver com a leitura social totalmente masculina aos 50+ sem antes ter transitado pelo universo masculino. A pergunta fundamental era: Que homem eu estava me tornando? Que tipo de (trans)masculinidade seria performada, essa que carregada de machismo fez me sofrer tanto ou algo diferente na busca da desconstrução da masculinidade que não nos cabe mais?

Além das obras de autoria, participo de várias coletâneas sendo a última extremamente importante “Diversidade e Inclusão e Suas Dimensões” (2022, Ed. Literare Books) composta por 44 coautores envolvidos nas temáticas LGBTQIAP+ especificamente para empresas.

Conhecendo os seus livros, apresente-nos as principais temáticas abordadas em suas palestras.

Jordhan Lessa – O grande diferencial é ser o protagonista das histórias que abordo, ser um homem trans que fala de vivência fazendo um mix elencando questões sobre educação, empregabilidade, saúde e direitos da população trans pelo viés da sensibilização e humanização trazendo reflexões, é a proposta. Demonstrar ao mundo que somos pessoas iguais a maioria com dores e alegrias, desafios e conquistas, somos família, pais, mães, filhos e filhas, não sendo possível apagar as nossas existências. Acredito que a falta de informações, o desconhecimento sobre quem somos verdadeiramente, para muito além do que o senso comum reverbera, não justifica e nem é a causa principal da discriminação que gera tanta violência contra nós, mas é responsável por boa parte. Transformar pensamentos, oferecer outras perspectivas, é isso que faço.

Quais critérios, são utilizados para contratação e apresentação das palestras? 

Jordhan Lessa – Na realidade há sempre uma adequação ao propósito que empresa busca alcançar, oferecemos desde a palestra simples de uma hora com abertura de mais 30 min para perguntas, até pacotes que além da palestra e o tempo para interação com o público, há também a disponibilização de exemplares dos meus livros ou da coletânea para que todas as informações que foram passadas não se percam. Os livros servem como material de consulta, para estudo de case de sucesso e já serviu para mudar não só o pensamento de algumas pessoas, mas a vida como um todo. Tenho relatos de quem passava por situações bastante desafiadoras e ao ler um de meus livros, após uma palestra, decidiu não desistir e reconstruiu a vida inclusive morando hoje em outro país.

Tudo é muito conversado em reuniões de alinhamento para que o objetivo fundamental seja plenamente alcançado e a contratante perceba as transformações positivas nas pessoas que serão alcançadas.

Qual a mensagem que deseja transmitir por meio de seu trabalho?

Jordhan Lessa – Inclusão através do respeito, o olhar humano sobre vidas que por vezes só precisam de uma primeira chance para não desistirem de si mesmas. 

Importante dizer que as minhas narrativas, abrangem a vivência transmasculina dos 48 anos em diante, mas existe uma estrada muito mais longa anterior à transição e nessa estrada fui desafiado pelas violências que o machismo provoca e, sendo assim, é humanamente impossível apagar todo esse passado e não tocar nas dores que, infelizmente, ainda estão presentes na vida de muitas mulheres sejam dores das lembranças do passado ou não, mas é possível resignificá-las.

A mensagem é o título do meu último livro “Missão Vencer” é essa a nossa missão enquanto habitantes desse planeta lindo chamado Terra, vencer os medos, as inseguranças, as dores, os maiores desafios, porque “Nós não nascemos para ser um nada” esse é o subtítulo da capa.

Qual a importância de trabalhar estas temáticas nas empresas? Você acredita que o conhecimento reduz o bulling, o preconceito, que pode existir em algumas pessoas, por falta de conhecimento?

Jordhan Lessa – O ativo mais precioso de uma empresa é o seu material humano, não só seus colaboradores e parceiros, mas também seus clientes e toda a cadeia que a faz existir. Acredito, verdadeiramente, que o fato de ser um homem trans com todas as experiências e superações que vivi até aqui e que se somam a muita pesquisa, estudo e escuta ativa, possibilita que os muros do preconceito sejam derrubados e pontes de respeito sejam construídas. Dessa forma trabalhar a inclusão com uma figura humana que personifica a realidade, que para muitos ainda é incompreensível, é a importância do trabalho que tenho como missão de vida realizar.

Eu acredito que contratar suas palestras, é se dar a oportunidade de conhecer melhor temáticas tão importantes, para desenvolvimento e crescimento do meio social, empresarial e comunitário, reduzindo o preconceito, a injustiça. Ainda tem muita coisa a ser trabalhada. Quais os principais desafios a serem enfrentados pelos LGBT e de que forma o seu trabalho vem ajudando a enfrentar estes desafios?

Jordhan Lessa – Sim, os desafios são muitos e inimagináveis para quem não precisa lutar por direitos básicos, como por exemplo usar o banheiro ou usar o nome que melhor lhe representa. Os feedbacks que recebo demonstram que estou no caminho certo ao falar de maneira leve sobre questões sérias e ao mesmo tempo trazer conhecimento sobre a legislação vigente, o que traz certa segurança para tomada de decisões, na criação de setores específicos de diversidade e até a mudança de benefícios dos planos de saúde que em algumas empresas já realizam cirurgias para pessoas trans que almejarem. 

Quem desejar como deve fazer para contratá-lo?

Jordhan Lessa – Estou com um site em construção que pode ser acessado www.jordhanlessa.com.br, pelo e-mail jordhanlessa@gmail.com pelo WhatsApp 55+ (21) 99368-0127 e redes sociais Insta: @jordhanlessa LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/jordhanlessa-escritor-lgbt

Onde podemos comprar os seus livros?

Podem ser adquiridos diretamente comigo pelo 55+(21) 99368-0127 ou www.jordhanlessa.com.br com descontinho, dedicatória e boas energias.

Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista. Muito bom conhecer melhor o palestrante Jordhan Lessa. Agradecemos sua participação na edição especial Coach, Palestrantes, Consultoria e Empreendedorismo. Que mensagem você deixa para nossos leitores?

Jordhan Lessa – Quero deixar um carinho especial repleto de gratidão e a reflexão que me fez chegar até aqui e ser quem sou: “Somos todos parte do todo, trazemos em nós partículas de um poder universal que cria mundos e tudo que neles existe, portanto temos o poder de mudar, criar, sermos e fazermos tudo que que se desenhar na tela da nossa imaginação, mas é preciso acreditar e iniciar o processo.”

Obrigado!

Divulga Escritor, unindo você ao mundo através da Literatura

Quer ser entrevistado? Entre em contato com nosso editorial, apresentaremos proposta.

Contato: smccomunicacao@hotmail.com

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via