Início » O artista plástico Bere e o fotógrafo Carlos Formiga mostram suas personalidades artísticas nada conservadoras e homenageiam o centenário da Semana de Arte Moderna de 22

O artista plástico Bere e o fotógrafo Carlos Formiga mostram suas personalidades artísticas nada conservadoras e homenageiam o centenário da Semana de Arte Moderna de 22

Exposições 'Identidade Coletiva II' e 'Abstracionismo Gráfico' estão abertas até o dia 19 de março no Centro Cultural Correios RJ

por Redação
Carlos Formiga

O artista plástico Bere e o fotógrafo Carlos Formiga apresentam as exposições ‘Identidade Coletiva II’ e ‘Abstracionismo Gráfico’, respectivamente, com curadoria de Carlos Bertão, design expográfico/iluminação de Alê Teixeira, e realização da EntreArte Consultoria, no Centro Cultural dos Correios RJ, até o dia 19 de março, onde mostram suas personalidades artísticas marcantes, desconstruindo padrões conservadores e homenageando a Semana de Arte Moderna de 22 em seu centenário.

São exposições individuais mas que conversam entre si e fazem com que o observador compartilhe de suas visões do mundo. Porque a arte vem das emoções, das ruas, das pessoas, e não pode se prender a padrões estéticos pré-determinados.

Os personagens de Bere possuem nomes e características de personalidade que são expressos através dos traços, cores e detalhes de cada obra. Suas pinturas são como filhos: nasceram de Bere, têm nome e fazem parte da história e da passagem do artista por este mundo. Assim, depois de criados, são apresentados à sociedade e com ela interagem.

É impossível ver uma obra de Bere sem uma reação. O espectador sente o poder dos fortes traços e a delicadeza das obras expostas, criando imediatamente uma conexão. Desta forma, as figuras passam a retratar uma mistura de sentimentos e máscaras usadas em nossa natureza humana. Bere utiliza acrílico sobre tela, spray e Caneta Posca. Em ‘Identidade Coletiva II’, além das telas, serão expostas reproduções seriadas das mesmas, impressas em Fine Art a jato de tinta mineral sobre canvas Hahnemühle.

O fotógrafo Carlos Formiga traz fotos abstratas marcadas por grafismo, onde procura o detalhe em um todo, utilizando, com propriedade, o elemento da linguagem visual. Capta as imagens sem um planejamento, em busca do inusitado – um aspecto que lhe chame a atenção. E é esse detalhe que ele fotografa. Em ‘Abstracionismo Gráfico’, são apresentadas fotos abstratas na sua maioria contemporâneas, que refletem a técnica e a sensibilidade que são marcas de seu trabalho.
Sobre Bere

Nascido em 1978, Bernardo de Paula Magalhães Bastos começou a pintar em meados do ano 2000, por influência de Marilu Bueno, também artista plástica, assumindo o nome artístico Bere, seu apelido desde a infância. Formado em arquitetura pela Universidade Santa Úrsula, sempre gostou de pintar e, depois da sua primeira exposição individual no ano de 2002, começou a levar a sério a carreira de artista visual, participando de exposições com mais assiduidade.

Em setembro de 2019, BERE apresentou, no Centro Cultural Correios RJ, a exposição IDENTIDADE COLETIVA, onde mostrou, pela primeira vez, os personagens que cria, que vivem em meio ao excesso de informações e de novas tecnologias. A mostra foi um sucesso de crítica e de público, tendo sido visitada por mais de 51.000 pessoas.

Passados mais de dois anos, esta nova exposição propõe mostrar uma nova leva de personagens criados por Bere num período em que enfrentamos a pandemia do coronavírus e a exacerbação da utilização das mídias sociais, de uma forma cada vez mais globalizada.

Carlos Formiga

Engenheiro e fotógrafo, o carioca Carlos Formiga fotografa desde os anos 80, tendo, a partir de 2010, passado a se dedicar integralmente à arte, estudando com o consagrado fotógrafo Walter Firmo, de quem se tornou pupilo. Participou também da Oficina de Arte Contemporânea na Escola de Artes Visuais – EAV – do Parque Lage, sob a orientação de David Cury.

Carlos Bertão (curador)

Carioca, advogado, formado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com mestrado na Universidade de Nova Iorque (NYU), trabalhou em escritórios de advocacia no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova Iorque.
Em 1980, foi contratado pelo Banco Mundial, em Washington, onde trabalhou por quase vinte anos.
Colecionador de obras de arte há mais de 40 anos, ao se aposentar do Banco Mundial retornou ao Brasil e passou a se dedicar à produção e curadoria de exposições.

Foi curador, entre outras, de exposições no Centro Cultural Correios, no Rio de Janeiro, no Centro Cultural do Banco do Brasil, em Brasília, no Centro Cultural da Caixa Econômica Federal, em São Paulo, no Museu de Arte Contemporânea do Estado de Mato Grosso do Sul – MARCO.

Hoje divide seu tempo entre o Rio de Janeiro e Bonito, MS, tendo concebido e executado o projeto IMERSÕES MS, que envolveu um trabalho de residência do renomado artista plástico Carlos Vergara na região da Serra da Bodoquena, também com a previsão de uma exposição no Museu de Arte Contemporânea do Estado de Mato Grosso do Sul – MARCO e a preparação e execução de um livro e de um vídeo do trabalho desenvolvido durante a residência.

Foi, também, Curador da exposição CONSCIÊNCIA, do artista peruano Ivan Ciro Palomino, produzida pela ONU, e realizada no Centro Cultural Correios RJ, no período de 25/09/19 a 19/01/20, que foi visitada por 143.524 pessoas.

Em todas as exposições que curou, nas quais apresentou obras de mais de 40 artistas, Carlos Bertão contou com a participação de Alê Teixeira, que foi responsável pelo design e pela iluminação delas.

Serviço

Exposição: “Identidade Coletiva II”
Artista: Bere @bere.arte
Exposição: “Abstracionismo Gráfico”
Artista: Carlos Formiga @carloscformiga

Curador: Carlos Bertão @cbertao
Design Expográfico/Iluminação: Alê Teixeira @aleartale
Realização: EntreArte Consultoria @entrearteconsultoria
Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem @_paula_r_soares

Local: Centro Cultural Correios RJ
Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro – RJ
Dias e horários: terça a sábado, das 12h às 19h
Visitação: até 19 de março de 2022
Censura livre
Gratuito
Acessibilidade

Uso de máscaras e comprovante de vacinação são obrigatórios, conforme determinação dos órgãos competentes.

Apoio: Centro Cultural Correios RJ/ Ministério das Comunicações /Estúdio Lupa

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Não estou interessado em compartilhar. Clique aqui para voltar para o conteúdo!
This window will automatically close in 10 seconds
Share via