Painel de graffiti de 300 metros quadrados busca remontar história de Itaipu, em Niterói

Painel de graffiti de 300 metros quadrados busca remontar história de Itaipu, em Niterói
Painel de graffiti de 300 metros quadrados busca remontar história de Itaipu, em Niterói - Foto: Sergio Odilon

A cidade de Niterói ganhará novas cores em um painel de 300 metros quadrados, criado pelos artistas Acme e Tosh e mais quatro grafiteiros, em Itaipu, região oceânica do município. Para resgatar a memória cultural do bairro e da região oceânica de Niterói, o Soul da Tribo, projeto de intervenção urbana contemplado em edital da Lei Paulo Gustavo, escolheu o muro da Igreja de São Sebastião de Itaipu, construção de 1716 tombada pelo INEPAC (Instituto Estadual de Patrimônio Cultural), para colorir um dos maiores muros do bairro, transformando-o no maior painel de graffiti da cidade realizado através de lei de incentivo à cultura. O lançamento deste novo marco da arte de rua em Niterói acontecerá no dia 21 de maio, com oficinas e palestras abertas ao público, na Escola Municipal Francisco Portugal Neves, em Piratininga. As inscrições são gratuitas e, para participar, basta se cadastrar (Vagas Limitadas).

Em cada “sprayzada”, o megapainel, situado nas proximidades da praia de Itaipu, conta a história do desenvolvimento da região oceânica de Niterói, tendo a formação do bairro como ponto de partida. O painel Soul da Tribo Itaipu busca ser uma ação afirmativa e de resgate de memória sobre a construção do bairro de Itaipu, que se mistura à história da formação da região oceânica de Niterói, incluindo os sambaquis encontrados na região da Duna Grande de Itaipu, que remontam a cultura de povos ancestrais que viveram no litoral do  Brasil (entre 2 e 8 mil anos atrás), o bioma Mata Atlântica e sua rica fauna e flora preservada no Parque Estadual da Serra da Tiririca, espécies marinhas nativas e os povos que nem sempre são presentes na memória cultural de Niterói, como indígenas, quilombolas e a tradicional colônia de pescadores.

Além do Acme, morador do Pavão-Pavãozinho, artista que representa a nata da velha escola de graffiti do Rio de Janeiro, marcado por seu estilo único e sempre inovador, também assinam a intervenção Cibelle Arcanjo, artista visual nascida no Morro do Preventório com diversos murais por Niterói; Alio; grande relíquia do graffiti, artista PCD nascido e criado em São Gonçalo; TOSH, que reside em Niterói há dez anos; RINE, nascido na Penha e morador de Niterói há mais de cinco anos; e GUT, cria de Niterói com diversos muros grafitados no município e arredores.

Grafiteiros colorem painel de 300 metros quadrados em Itaipu, Niterói
Grafiteiros colorem painel de 300 metros quadrados em Itaipu, Niterói

Para Thaís Pereira, produtora cultural e idealizadora do projeto e curadora do Soul da Tribo, a intervenção em Itaipu é uma importante ação de transformação social, é como a criação de um livro a céu aberto que possibilitará interação, estudos e visitas de alunos da rede educacional e da população em geral para aulas ao ar livre, além de estimular o turismo na cidade. “Estamos ocupando com propriedade as ruas de Niterói, trazendo história, mitos, narrativas, colorindo, conscientizando, envolvendo a comunidade e dando vida às ruas dos bairros, promovendo o resgate da memória cultural da cidade, a partir da linguagem do grafitti, com obras artísticas públicas e de fácil acesso”, detalha. O projeto tem, ainda, como objetivo fomentar a economia criativa e a cena cultural da cidade de Niterói e gerar renda para artistas locais, sendo uma ação de impacto social, uma vez que contribui para diminuir as desigualdades socioeconômicas e culturais nas regiões mais carentes do município. 

E para proporcionar acessibilidade aos visitantes, o megapainel Soul da Tribo Itaipu tem um QR code, com audiodescrição do muro, e também uma placa em braile. Também está previsto o lançamento de um documentário, que terá tradução em libras, trazendo entrevistas e making off da execução do projeto, que será lançado em junho.

O projeto estimula a participação e o protagonismo de pessoas e artistas vulnerabilizados socialmente, promovendo a aproximação de todas as classes sociais, gêneros, raças, etnias e comunidades a partir da interação do público com a obra. A iniciativa é da Gira Produções, realizada através do Edital Conexões Urbanas da Lei Paulo Gustavo, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Ministério da Cultura e Governo Federal.

Como nasceu o Soul da Tribo

Soul da Tribo é um Festival de Hip-Hop e Reggae, nascido em 2019, idealizado por Thaís Pereira. A produtora cultural, em 2023,  promoveu o Graffiti Soul da Tribo das Mina, no Engenho do Mato, que tem como temática a Violência contra Mulher, e ela quer mais. A ideia é realizar mega painéis de graffiti em cada bairro de Niterói contando de forma artística sua história. O grafite proposto é mais uma das ações do projeto “Soul da Tribo”, produzido pela Gira Produções, no qual a principal ideia é trazer sentimento de pertencimento e conexão com a ancestralidade através da cultura Hip Hop.

Serviço:

Evento: Oficina de Graffiti Soul da Tribo;
Data: 21/05/24 (terça-feira), às 14 (horas);
Local: Escola Municipal Francisco Portugal Neves – Rua Quatorze, s/n – Piratininga, Niterói;
Inscrições: para se inscrever envie e-mail para contato.souldatribo@gmail.com (informar nome completo e data de nascimento (Vagas Limitadas);
Redes Sociais: Facebook e YouTube: Soul da Tribo Oficial;
Instagram: @souldatribo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui