Sandra de Sá faz única apresentação de seu show “Baculêju da de Sá” na Sala Municipal Baden Powell

Participações das cantoras Simone Floresta, Nanda Fellyx e o Rap Denegrindo

Sandra de Sá faz única apresentação de seu projeto ‘Baculêju da de Sá’, com as participações das cantoras Simone Floresta, Nanda Fellyxe o rap Denegrindo, na Sala Municipal Baden Powell (Av. Nossa Senhora de Copacabana 360), no dia 02 de março 2018, 6af as 20h, com ingressos ao preço de R$ 50,00 / R$ 25,00 (para estudantes, jovens até 21 anos, idosos acima de 60 anos, moradores de Copacabana e usuários do MetroRio). 

Sandra de Sá mostrará seu mais novo projeto, ‘BACULEJU da de SÁ’, para o público da Zona Sul, mais especificamente, de Copacabana, local que ela adora passear nas praias, tomar agua de coco e passear pela orla. 

A artista afirma que o espetáculo é na verdade um Sarau multicultural comandado e idealizado por ela. 

“O dicionário diz que o significado da palavra Baculeju é um termo regional, muito usado na Bahia, que significa busca de algo em algum lugar ou no corpo de alguém; averiguação, revista”, explica.

No sarau/show de Copacabana, a rainha Sandra de Sá contará com a presença dos amigos que foram revelados nos giros do Baculejo: Nanda Fellyx, Simone Floresta e o rap Denegrindo. Todos terão seus momentos solo no espetáculo.

Sandra convoca os admiradores da boa e velha Música Preta Brasileira, pra darem uma passada à Sala Baden Powell, no dia 02 de março/2018, para conferirem. 

Ela promete musica de qualidade para um publico de qualidade. Certamente, sucessos nas vozes de mestres como Tim Maia, Jorge Benjor e Wilson Simonal estarão em destaque no setlist do show.

A ARTISTA:

Carioca do subúrbio ferroviário de Pilares, a música está em sua genética, já que seu pai era baterista.

Sua voz grave e potente vem de sua africanidade, pois é neta de um caboverdiano. 

Acompanhando seu pai em shows, em sua adolescência, Sandra frequentava os bailes de gafieira, samba e soul, em Pilares e adjacências, bem como a quadra da Caprichosos de Pilares, escola onde desfila até hoje. 

Gostando cada vez mais do universo musical, aprendeu sozinha a tocar violão e começar a compor suas letras. Com o incentivo dos pais, começou a se apresentar em escolas de samba e em pouco tempo, Sandra de Sá tornou-se considerada a rainha do soul brasileiro.

É chamada por alguns de “Tim Maia de saias”, por se identificar com o cantor no balanço e no timbre grave da voz, além de por suas histórias juntos, como o famoso clipe do hit “Vale Tudo” (Tim escolheu Sandra para fazer o dueto com ele). Tornaram-se grandes amigos e fizeram muitos shows juntos pelo Brasil afora. 

Cazuza dizia que ela era a “Billie Holliday brasileira” . Por suas letras de forte conscientização social, ganhou prêmios como cantora e compositora em diversos festivais de música popular brasileira, nos quais, em geral, era inscrita pela amiga Fafy Siqueira. 

Em 1977, começou a estudar psicologia na Universidade Gama Filho, curso que teve de abandonar quase no momento de concluir, pois despontou como compositora, tendo uma de suas composições da época, “Morenando”, gravada por Leci Brandão. Logo depois, também despontou como intérprete.

O sucesso para valer, como cantora, veio já no começo de 1980. No MPB 80, da Rede Globo, Sandra Sá (como então era chamada: o “de Sá”, seu sobrenome de fato, só foi incluído no nome artístico alguns anos depois), classificou “Demônio Colorido” entre as dez finalistas e a música obteve repercussão nacional.

A partir daí, emplacou inúmeros hits como “Bye. Bye Tristeza”, “Vale Tudo” (com Tim Maia), “Olhos Coloridos”, “Solidão”, “Retratos e Canções”, “Não Vá”, “Joga Fora no Lixo”, dentre outros.

Transitando com versatilidade pela MPB, Sandra gravou ao lado de outros grandes nomes como Carlinhos Brown, Herbert Vianna, Nelson Mota, Jorge Benjor, Caetano Veloso, Elba Ramalho, João Donato, Maria Gadú, Cazuza e Tim Maia – os dois últimos foram seus principais amigos e parceiros de início de carreira, com quem desenvolveu sua identidade musical. Desta fase, acabou ganhando o reconhecimento como a “rainha do soul brasileiro”.

Mas a artista vai muito além do funk e do soul, como autêntica representante da alegria dos subúrbios cariocas, ela não poderia deixar de se misturar aos bambas. Ao longo dos anos, Sandra de Sá cultivou parcerias com grandes nomes do samba como Zeca Pagodinho, Jorge Aragão, Dona Ivone Lara, LeciBrandão e muitos outros com apresentações solos e duos sempre recheadas de suingue.

Em sua carreira de quase 30 anos de sucesso, Sandra de Sá conquistou vários prêmios, entre eles: 

  • Troféu Imprensa: Melhor Música: Solidão (1987), 
  • Prêmio Sharp: Melhor Cantora (1988), 
  • Prêmio Sharp: Melhor Disco (1988), 
  • Troféu Imprensa: Melhor Cantora (1990), 
  • Prêmio Sharp: Melhor Cantora (1993), 
  • Prêmio Sharp: Melhor Cantora (1995), 
  • Prêmio Sharp: Melhor Música: Sozinha (1996); 
  • 16º Prêmio da Música Brasileira: Melhor Cantora de Pop/Rock (2005). 

Se você gosta de musica de qualidade, não dá pra perder o ‘BACULEJU da de SÁ’

SERVIÇO:

SANDRA DE SÁ no Show “BACULEJU da de SÀ”
Participações Especiais das cantoras Simone Floresta, Nanda Fellyx e o rap Denegrindo
Realização: Boca Fechada Produções e Promoções Artísticas.
Dia 02 de março/2018  – Sexta Feira 19h.

Sala Municipal Baden Powell
Avenida Nossa Senhora de Copacabana 360 – Copacabana – Tel. 21- 2547-9147
Capacidade: 489 lugares
Preço dos Ingressos: R$ 50,00 / R$ 25,00 (para estudantes ou idosos acima de 60 anos, moradores de Copacabana e portadores do cartão do Metro Rio )
Venda de ingressos na bilheteria do teatro ou pela TicketMaster
Duração: 1:20h
Classificação: 14 anos 
Gênero: Show Musical

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here