Série Mundo, da Orquestra Sinfônica Brasileira, celebra a cultura musical da Espanha no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Orquestra Sinfônica Brasileira
Orquestra Sinfônica Brasileira

Constituída por 17 comunidades autônomas, a Espanha é matriz de uma riqueza cultural única, refletida em sua gastronomia, danças, arquitetura e, principalmente, música. A tradição sinfônica do país será celebrada no concerto da Série Mundo que a Orquestra Sinfônica Brasileira leva ao palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro no dia 27 de abril. No repertório, composições de Juan Crisóstomo de Arriaga, Manuel de Falla, Serguei Prokofiev e Igor Stravinsky. A pianista Linda Bustani é a solista convidada para o espetáculo, que será regido pelo destacado maestro espanhol Ignacio García Vidal. A Série Mundo conta com o patrocínio do Bradesco.

A vida de Juan de Crisóstomo Arriaga foi breve, mas intensa. Apelidado de “Mozart espanhol”, o compositor faleceu aos  19 anos, mas firmou seu nome no panteão da música espanhola oitocentista. Seu catálogo de obras – embora modesto –  atesta seu refinamento e revela uma poderosa singularidade criativa. A Abertura “Los esclavos felices”, que dá início a este concerto, foi composta pouco antes de sua morte, com o intuito de integrar uma ópera escrita aos 13 anos de idade. Rica em temas cativantes, a peça guarda um colorido rossiniano, o que se revela não apenas no evidente contraste entre a introdução lenta e o allegro engenhoso, mas também nas interjeições espirituosas dos instrumentos de sopro. 

Da atmosfera solar e brilhante da música de Arriaga o programa avança rumo aos jardins perfumados e misteriosos de Manuel de Falla. Inicialmente esboçada para piano solo e mais tarde concluída em versão para piano orquestra, Noches en los Jardines de España não é um concerto tradicional, mas, antes uma série de “impressões sinfônicas” em cuja atmosfera orvalhada ecoam paisagens da terra natal do compositor. O primeiro movimento, “En el Generalife” evoca o famoso jardim do Palácio de Generalife com um tema de sabor mourisco e orquestração delicada e colorida. “Danza lejana”, por sua vez,  é um intermezzo dramático e sensual cujos ritmos e harmonias são reminiscentes do flamenco. O movimento final, “En los jardines de la Sierra de Córdoba”, começa em total furor, com piano e orquestra se entrecruzando em episódios que aludem à música cigana. O clima tempestuoso cede lugar a uma seção intermediária cheia de influência andaluza, e a obra, em absoluta elegância, evapora.

O concerto segue com uma das obras mais queridas de Serguei Prokofiev: a Sinfonia No. 1. Carinhosamente chamada de “Clássica” pelo compositor, a obra combina concisão, assertividade e bom humor e presta tributos ao classicismo vienense; o estilo  inconfundível do russo, no entanto, se faz presente em toda a obra. “Se Haydn vivesse nos dias de hoje, ele conservaria seu próprio estilo ao mesmo tempo em que incorporaria algo novo… esse é o tipo de sinfonia que eu gostaria de escrever”, escreveu ele em sua autobiografia. Ao longo de quatro movimentos, o que se ouve é uma trama engenhosa que combina dissonâncias intrigantes, cadências ambíguas e um indiscutível senso de humor, atualizando de forma irreverente o modelo consagrado da sinfonia setecentista. 

A Suíte Pulcinella de Igor Stravinsky, derivada do balé homônimo de 1920, representa um ponto de virada crucial na carreira do compositor. Trabalhando sobre melodias do século XVIII, (atribuídas a Giovanni Battista Pergolesi) e adicionando a elas o seu colorido pessoal, o russo reconfigurou sua própria linguagem musical, abrindo caminho para aquela que seria sua fase de orientação “neoclássica”. A Suíte tem início com abertura intitulada “Sinfonia”, de apelo caloroso; em seguida, entra em cena uma “Serenata” que envolve o ouvinte no ondulante ritmo siciliano. Dividido em duas partes contrastantes, o clima do “Scherzino” é de leveza e de alegria, mesmo na seção mais lenta. A festa de cores e ritmos da “Tarantella” desemboca sem pausas em uma “Toccata” que explora brilhantemente o uso dos sopros. A obra se encaminha para o fim com os três movimentos seguintes: uma “Gavotta” de caráter pastoral, um “Vivo” cheio de humor e um “Minuetto” que embora gracioso de início, termina cheio de energia.

Saiba mais em

www.osb.com.br

www.conexõesmusicais.com.br 

PROGRAMA:

JUAN CRISÓSTOMO DE ARRIAGA – Abertura “Los esclavos felices”

MANUEL DE FALLA – Noches en los jardines de España

  1. En el Generalife

  2. Danza lejana

  3. En los jardines de la Sierra de Córdoba

  •  Intervalo  –

SERGUEI PROKOFIEV – Sinfonia nº 1 “Clássica”

  1. Allegro

  2. Intermezzo. Larghetto

  3. Gavotte. Non troppo allegro

  4. Finale. Molto vivace

IGOR STRAVINSKY – Suite do balé “Pulcinella”

  1. Sinfonia

  2. Serenata

  3. Scherzino – Allegretto – Andantino

  4. Tarantella

  5. Toccata

  6. Gavotta (con due variazioni)

  7. Vivo

  8. Minuetto – Finale

SERVIÇO:

  • Série Mundo – Espanha
  • Dia 27 de abril (sábado) – 19h
  • Local: Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Praça Floriano, s/nº – Centro, Rio de Janeiro)
  • Ingressos: 
  • Frisa/Camarote 80,00 (R$40,00 meia)
  • Plateia/Balcão Nobre 80,00 (R$40,00 meia)
  • Balcão Superior 50,00 (R$25,00 meia)
  • Balcão Superior Lateral 40,00 (R$20,00 meia)
  • Galeria 30,00 (R$15,00 meia)
  • Galeria Lateral 20,00 (R$10,00 meia)
  • Ingressos à venda na bilheteria do TMRJ e no site Fever

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui