A Menina Dança

A Menina Dança

Um projeto de dança, voltado para o público infantil e que conta a história de uma heroína da  pátria: Maria Felipa. Este é o pano de fundo de “A Menina Dança”, espetáculo de dança afro  em ritmos como maracatu, jongo, maculelê, samba de roda e outros, sempre conectado ao corpo  e enredo histórico. A peça teatral, contemplada no Edital Corpo Negro, do SESC Pulsar, estará em cartaz no SESC Tijuca, com apresentações gratuitas, entre os dias 18 e 26 de maio. No dia  24 de maio haverá sessão com intérprete de libras e audiodescrição. O projeto integra a programação do Festival de Dança Corpo Negro do Sesc RJ.

A peça apresenta uma personagem acessível ao espectador mirim, que percebe a importância do tema. Através da dança são reveladas histórias que precisam ser multiplicadas.  Durante a apresentação, a personagem trará sua história, sua amizade com os peixes – que estarão em cena também – e como conseguiu afundar, juntamente com seus amigos locais, mais  de 40 navios na Ilha de Itaparica (BA), durante a independência do Brasil. A peça tem uma linguagem específica para crianças da pré-infância à infância, com cantigas conhecidas em seu  dia-a-dia, trazendo conexão com as cenas retratadas no palco.

De acordo com a crítica teatral e dramaturga, é necessário ter um olhar de admiração e afeto  com relação à história dos negros brasileiros. Segundo ela, os artistas farão este papel através do  lúdico para a pré-infância e infância, sendo essa a linguagem abordada na obra. “Contar essa história com beleza é nosso foco. A importância de Maria Felipa é imensa. Falamos da luta de uma mulher negra, líder e empoderada, para crianças que são multiplicadoras de ideias. Falar de uma pessoa apagada pela história, por sua cor e gênero, é um movimento imponente”, analisa Paty.

A diretora artística do espetáculo é Flavia Souza, multiartista premiada e bacharela em dança pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com 21 anos de carreira na área artístico cultural. Ela assina o trabalho coreográfico-corporal do elenco. Ano passado, a profissional foi indicada como Melhor Atriz Coadjuvante no prêmio internacional Los Angeles Brazilian Film  Festival (LABRFF), nos EUA, pelo filme “Nosso Sonho”, cinebiografia de Claudinho e  Buchecha. Também é coordenadora do grupo Cultural Afrolaje e titular do Fórum de Mulheres  do Hip Hop pelo Ministério das Mulheres. “Apesar de minha vasta experiência profissional,  essa é minha estreia na direção de um espetáculo de dança infantil. É uma responsabilidade sem  tamanho, principalmente por se tratar de um tema antirracista para a infância”, diz Flávia.

A atriz e dançarina Gabriela Luiz é a protagonista. A artista foi indicada ao Prêmio de Melhor  Atriz no Centro Brasileiro Teatro para a Infância e Juventude (CBTIJ)além de fazer a direção  de movimento do espetáculo “Nem Todo Filho Vinga”, que levou o Prêmio Shell, em 2022,  como Melhor Direção Artística.

Na peça, cinco bailarinos em cena trazem conceitos afro-brasileiros. A estética visual do espetáculo também estará voltada à cultura africana, desenhada pelo figurinista Ricardo Rocha, vencedor do Prêmio CBTIJ como Melhor Figurinista.

Sinopse

Através dos ritmos e danças africanas as crianças conhecem a história de Maria Felipa, uma personagem que se depara com quarenta navios portugueses, prontos a tirar sua liberdade. Com muita ludicidade, a peça retrata sua procura para proteger o Brasil e expulsar a esquadra portuguesa de nosso país. O espetáculo tem uma linguagem específica para crianças da pré-infância à infância, com cantigas que elas conhecem, trazendo conexão com a história que será contada.

Quem foi Maria Felipa

Maria Felipa foi uma marisqueira, pescadora e trabalhadora braçal que participou da luta pela  Independência da Bahia. Ela foi declarada Heroína da Pátria Brasileira e teve seu nome inscrito  no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria, que se encontra no Panteão da Pátria e da Liberdade  Tancredo Neves, situado em Brasília/DF. No entanto, Maria Felipa não faz parte da história nos  livros escolares brasileiros, uma invisibilidade que a cultura trabalha para reverter revivendo  essas memórias, principalmente para o público infantil, ainda em formação e multiplicador de  ideias.

“Para contar a história de Maria Felipa nos dias de hoje, não necessitamos mais da busca estética colonizadora como referência iconográfica. Hoje, já temos nossas cores e elas são bem  mais vivas e reais do que as aquarelas relatadas pelos registros das escolas europeias”, registra  Paty Lopes, dramaturga e idealizadora do espetáculo.

O produtor cultural e jornalista Edison Corrêa, Diretor-Executivo do projeto, acredita que a  dança, aliada à música, proporciona infinitas perspectivas às crianças, de uma forma prazerosa e  divertida, além de educativa. “Sempre somos atropelados pelo protagonismo dos heróis estrangeiros justamente na infância, como os norte-americanos e japoneses. Plantar uma semente sobre „quem somos‟ tem grande importância para o futuro desses pequenos e  pequenas”, afirma.

Edison crê que as propostas das ações afirmativas de “A Menina Dança” para o público  infantil incluem a representação de personagens que promovem um conhecimento necessário na  atualidade. “A representatividade e protagonismo de uma heroína negra, as questões relacionadas ao antirracismo e suas ações educativas atendem a linguagem infantil de uma  forma positiva, desconstruindo estereótipos que não cabem mais na sociedade contemporânea”,  justifica.

Musicalização

O projeto defende a ideia das cantigas de roda, sem música mecânica, com palmas através da percussão corporal. A meta é levar pertencimento e protagonismo do público ao qual o espetáculo se apresenta. O objetivo é reverberar a história do Brasil, os feitos da Maria Felipa e também entrar nas brincadeiras de roda, com base nos corpos dos bailarinos. A musicalização acontece através de cantigas e brincadeiras infantis.

Sustentabilidade e Meio Ambiente

O ano de 2024 é marcado pela realização da reunião da Cúpula do G20 – nações mais ricas do  mundo – na cidade do Rio de Janeiro e uma das pautas mais discutidas nas reuniões preliminares  é referente às mudanças climáticas. Pensando nisso, o espetáculo também preza pela defesa e  conservação do meio ambiente a partir do lúdico. A ludicidade na amizade de Maria Felipa com  os seres marinhos abre caminhos para plantar cuidados necessários dos pequenos com o meio  ambiente e a sustentabilidade.

Serviço: A Menina Dança

  • De 18 a 26/05 (Dia 24/05: sessão acessível com libras e audiodescrição) De sexta a domingo
  • Horário: Sextas, 11 e 15 h; sábados e domingos, às 16 h
  • Local: Teatro I do SESC Tijuca (Acessibilidade: local com rampas e elevadores) Ingressos: Gratuitos
  • Endereço: Rua Barão de Mesquita, 539, Rio de Janeiro – RJ
  • Horário de funcionamento da bilheteria: Terça a sexta – de 7h às 19h30; Sábados – de 9h às 19h;  Domingos – de 9h às 18h.
  • Classificação indicativa: Livre – a partir de 04 anos
  • Duração: 45 minutos
  • Lotação: Sujeito à lotação
  • Gênero: Infantil

Ficha Técnica:

  • Texto, Idealização e Direção de Produção: Paty Lopes
  • Direção Artística e Coreografia: Flávia Souza
  • Elenco: Bellas da Silveira, Dani Gomes, Gabriela Luiz, Marcos Bandeira e Tatiana Reis Percussão: Ivan Karu e Vitor Ligeiro
  • Figurino: Ricardo Rocha
  • Desenho de Luz: Valmyr Ferreira
  • Visagismo: Keila Santos
  • Direção Executiva: Edison Corrêa 
  • Filmagem: A4 Filmes
  • Técnica de Luz: Brisa Lima
  • Técnica de Som: Cynthia Rachel Esperança
  • Fotografia: Valmyr Ferreira
  • Programação Visual: André Barroso
  • Assessoria de Imprensa: Alessandra Costa
  • Realização: Eu, Rio! E SESC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui