Início » Ator Reinaldo Júnior estreia seu primeiro solo “O Grande Dia”

Ator Reinaldo Júnior estreia seu primeiro solo “O Grande Dia”

por Redação
Reinaldo Júnior

“É um solo sobre homens negros: avôs, pais, filhos, companheiros, famosos, anônimos, trabalhadores, intelectuais, vivos ou mortos, não como objetos de estudos, mas como protagonistas das suas próprias histórias, narrativas e vivências. Do nascimento até o presente momento, das travessias de ruas da Chatuba de Mesquita até à cidade de Pequim, na China”, ressaltou o ator, Reinaldo Júnior, sobre a peça-filme “O grande dia”, a qual protagoniza, e que evidencia a capacidade artística de um homem negro brasileiro nos palcos. Realizada pela Confraria do Impossível, a direção é de André Lemos, que estreia quinta-feira (2), no Teatro Gláucio Gill, em Copacabana, ficando em cartaz até domingo (5). De quinta a sábado 20h e domingo 19h.

Com participações especiais de Mariana Nunes, Cátia Costa, Vilma Melo, Tatiana Tibúrcio, Wilson Rabelo, Nando Cunha, WJ, Reinaldo Santos, Theo Costa, Zaion Salomão. Direção de produção de Jeff Fagundes,  supervisão artística de Tatiana Tibúrcio, Cenários de Tarso Gentil. Arte e realidade se misturam no jogo cênico com o trabalho visceral de Reinaldo que, em cena, desmistifica e desconstrói os preconceitos acerca das pessoas negras, sobretudo, dos homens. “Dos palcos aos ringues, da vida cotidiana, simples, em luta, de um corpo bélico, em trânsito, carregado de poesia, subjetividade e camadas que não interessam ao sistema que esteja vivo, pulsante e pensante. É uma obra construída sobre a vida para atravessar e transformar tantas outras, quebrando olhares viciados e construindo imaginários positivos sobre o ser negro”, frisa Reinaldo.

Segundo  André Lemos, o encarceramento em massa, intolerância religiosa e discussões sobre o papel do homem negro dentro da contemporaneidade e da nova abordagem de protagonismo são alguns dos assuntos debatidos. “A ideia é trazer o homem negro para o centro da cena. É preciso entender esse discurso da descolonização. Este é o primeiro solo que estamos montando e, nesse momento, nós, que já trabalhamos com teatro, estamos entrando numa nova seara e tentando fazer um híbrido disso, dentro da nossa estética teatral, audiovisual e desses trabalhos que a gente vem adquirindo de intervenção urbana durante esses anos de pesquisa afrofuturista, do negro em cena em meio ao racismo estrutural”, pontuou o diretor.

Mais um projeto que transborda toda pluralidade do ator, nascido em Mesquita, na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. “Tenho uma equipe criativa ‘Excellence’ em todos os setores, a qual me permite trabalhar com confiança diante de um grande desafio. Cada projeto é um mergulho diferente. Entre mais de 30 espetáculos, 15 filmes, séries em TV, festivais nacionais e turnês internacionais, é a primeira vez que me debruço em uma narrativa solo”, revelou Reinaldo.

De acordo com o ator, o processo de pesquisa completou 30 anos. “Este trabalho começou em 1991. Temos o mesmo tempo de vida, nos mesmos minutos e acréscimos e nascemos no mesmo lugar, na mesma batida e no mesmo ritmo. Mesmo com muitas vozes e com a diversidade de personagens em cena, encaro como uma grande aventura. Para um bate-bola durante este processo, convidei os atores e amigos, Wilson Rabelo e Wayne Marinho, para uma troca sobre a obra. Acredito na antiga filosofia que arte não se faz sozinho”, explica.

Otimista para a estreia da peça-filme, o diretor André Lemos destaca. “Estou com boas expectativas para este trabalho híbrido artístico entre o cinema e teatro, com uma temática muito forte em torno do homem negro e dos atravessamentos durante os últimos séculos”.

Para Reinaldo, o intuito é fazer com que outros homens negros se reconheçam. “Esperamos conduzir o espectador e o público para um olhar mais profundo e humanizado sobre a complexidade e as camadas de uma vida negra masculina em uma sociedade racista dominada pelo patriarcado branco, além de exaltar e homenagear a nossa ancestralidade preta através da arte, quebrando estereótipos e a falácia de que não existem bons atores negros no Brasil”, concluiu.

SINOPSE 

Uma batalha, 7 rounds de 7 cenas em 7 circunstâncias de inúmeras realidades diferentes unidas por uma só luta, contra o mais potente dos adversários.

O despertador tocou, o gongo soou e chegou O Grande Dia.

Reinaldo Junior, um dos mais aclamados atores de sua geração, em um solo performático inédito, que mistura ficção e realidade; teatro e cinema, visceralidade e minimalismo. Com direção violentamente pacífica e uma dramaturgia potente e refinada, do vencedor do prêmio Shell, André Lemos.

Façam suas apostas. A luta vai começar, chegou a hora, chegou o Dia!

SERVIÇO 

  • Teatro Gláucio Gill
  • Praça Cardeal Arcoverde, s/n – Copacabana, Rio de Janeiro
  • datas: 2, 3, 4 e 5 de junho – quinta, sexta e sábado às 20h e domingo às 19h
  • Classificação: 14 anos
  • Gênero: híbrido
  • Ingressos: R$30 inteira,  R$15 meia

FICHA TÉCNICA

  • Idealização e Atuação: Reinaldo Junior
  • Direção e dramaturgia: André Lemos
  • Direção de Produção: Jeff Fagundes
  • Supervisão Artística: Tatiana Tibúrcio
  • Participações especiais: Mariana Nunes, Catia Costa, Vilma Melo, Tatiana Tiburcio, Wilson Rabelo, Nando Cunha, WJ, Reinaldo Santos, Theo Costa, Zaion Salomão
  • Ass. de Direção: Wayne Marinho
  • Direção Musical: André Lemos, Luan de Almeida e Reinaldo Junior
  • Supervisão de Movimento: Cátia Costa
  • Direção de Movimento/Preparação Corporal: Reinaldo Junior
  • Cenários: Tarso Gentil
  • Figurinos e adereços: Raphael Elias
  • Projeto de Luz: Rommel Equer
  • Criação Audiovisual: Luan de Almeida
  • Assessoria de Imprensa: Monteiro Assessoria
  • Operação de Áudio/vídeo: Alex Nanin
  • Operação de Luz: Thiago Viana
  • Produção Executiva*: Jonathan Fontella e Wayne Marinho
  • designer: Giulia Santos
  • Parceria: Terreiro Contemporâneo
  • Sede: Teatro Negro Chica Xavier
  • Realização: Confraria do Impossível

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via