Início » No Dia dos Namorados o assunto é libido: queda do desejo afeta homens e mulheres cada vez mais jovens

No Dia dos Namorados o assunto é libido: queda do desejo afeta homens e mulheres cada vez mais jovens

Geriatra fala sobre principais causas e explica que é importante tratar o casal

por Redação

O Dia dos Namorados, em 12 de junho, é uma data para se pensar em um tema muito pertinente para a ocasião: a libido. Segundo especialistas, a  perda da libido (ou falta de desejo sexual) chega a atingir entre 15% e 50% dos adultos – a maioria, mulheres. Diversos estudos mostram a relação entre perda precoce da libido e problemas como ansiedade, depressão, uso excessivo de álcool e drogas, além de maus hábitos relacionados à má alimentação, sono e sedentarismo. Mas é nos consultórios que psicólogos e médicos de diferentes especialidades vêm notando a queixa de baixa libido cada vez mais frequente em jovens adultos.

De acordo com a geriatra e especialista em modulação hormonal, Márcia Umbelino, a diminuição precoce do desejo sexual é generalizada, tanto em homens quanto em mulheres. Segundo ela, existem pessoas de 40 anos sem libido e homens com um déficit de testosterona significativo, nessa mesma idade, o que não é normal. “A diminuição da libido em homens e mulheres cada vez mais jovens está virando um problema mundial, mas eu tenho percebido muito no Brasil. O tratamento desse tipo de problema é feito com o casal. Não adianta deixar um animado e o outro não”, destaca a médica.

Para a ginecologista e especialista em sexualidade da mulher, a libido feminina é complexa. No caso da mulher, é preciso avaliar diversos fatores físicos, como ressecamento vaginal, menopausa precoce, candidíase recorrente, ou seja, questões que podem influenciar diretamente no prazer, mas também é preciso considerar fatores mais subjetivos como tabus, falta de autoconhecimento e até mesmo problemas na relação. “Definitivamente, o que aumenta a libido é se sentir valorizada e única, coisas que muitas vezes passam batidas em relacionamentos longos”, comenta Nathalie.

Segundo a especialista, todas querem um remédio, mas cada a eficácia de medicações para a libido ainda é muito questionável. Ela ressalta que a reposição está indicada para mulheres que estão na menopausa, sentindo calores ou, para aquelas que apresentam sinais de atrofia vaginal, uma reposição de estrogênio local (na vagina), pode ser indicada também. A menopausa ou mesmo a pré-menopausa pode representar, sim, mudanças significativas em uma libido que antes funcionava bem. “É importante destacar que a reposição não vai aumentar a libido de mulheres que não têm essa questão como consequência da falta de hormônios, e sim por conta de um relacionamento de baixa qualidade”, explica.

Para a psicóloga Flávia Freitas, não adianta tratar o corpo se o problema for no relacionamento. Especialmente para a mulher, sexo é um contexto. “Pela antropologia, homens são mais visuais e se excitam quando olham para o objeto de seu desejo. Portanto podemos dizer que a libido masculina começa na visão.

Mulheres precisam de uma combinação de fatores: estímulo visual, como demonstrações em bilhetes, flores, etc, auditivo, ao ouvir palavras carinhosas de se sentirem exclusivas, sensorial, com afeto ligado ao toque, como abraços, beijos e carinhos, e da imaginação. Gostam de criar fantasias românticas relacionadas ao homem, como por exemplo pensar no início do namoro como seria sua vida se fosse casada com ele”, explica a terapauta, especialista em relacionamento de casais.

Quando o relacionamento está ok e o corpo não responde, é hora de procurar ajuda para ver o que pode estar errado. O problema, de acordo com os especialistas, é que as pessoas têm resistência a aceitar que estão com um problema. Entre os homens, o tabu é ainda maior. “Normalmente, quem procura ajuda para o homem é a parceira, principalmente entre os mais jovens”, destaca Márcia Umbelino. “O que mais vejo, atualmente, no consultório é casal jovem em ambos sem libido. As pessoas acham, erradamente, que baixa de testosterona é algo que só ocorre no idoso. Mas, no homem, é comum já a partir dos 45 anos”

Segundo Márcia, a baixa da testosterona influencia não só na libido, mas também na dificuldade em ganho de massa muscular, na disposição física, no sono, entre outros fatores. “Regular a produção de testosterona, tanto no homem, quanto na mulher, pode significar um grande ganho em qualidade de vida”

A médica explica que o tratamento para melhorar a libido não necessariamente envolve a reposição hormonal. “A reposição é indicada em alguns casos e, mas o tratamento precisa ser global. Mudanças na alimentação, prática de atividades físicas, melhora do sono, regular o estresse, precisam estar incluídos no tratamento. Além disso, é preciso investigar doenças crônicas como diabetes, pressão alta, além da influência de outros hormônios no organismo. Em alguns casos, é possível estimular o aumento na produção da testosterona com suplementos e vitaminas”, detalha Márcia.

“Saber se a libido está normal é subjetivo. Em alguns países do mundo, ter relação sexual uma vez por mês é considerado normal. No Brasil esta proporção é diferente. O que é a frequência ideal de relação sexual vai depender de cada país, de cada cultura. O que ajuda na libido é a mudança de rotina, é o casal deixar os filhos e sair para fazer algo diferente, colocar fantasias sexuais em atividade, conversar. Tem milhões de possibilidades”, completa Nathalie Raibolt.

Dia dos Namorados é ocasião para sair da rotina

Para a ginecologista e sexóloga, o Dia dos Namorados pode ser um ótimo momento para se lembrar do que fez o casal ficar juntos. A rotina pode colocá-los no “esquecimento” e é importante voltarem a ser namorados. “E  não precisa ser nada grandioso. Chegar mais cedo do trabalho, dedicar um tempo maior para conversar, mandar mensagens lembrando o que se gosta no outro… São as pequenas surpresas que fazem o prazer de estar junto. Acredito na simplicidade. Palavras que demonstram o cuidado com o parceiro,  memórias com fotos, um hobby do casal”, sugere Nathalie.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via