Ney Matogrosso traz novamente​o show “Bloco ​n​a ​Rua​”​ ​ao Qualistage

Ney Matogrosso
Ney Matogrosso - Foto Marcos Hermes

Sempre à frente de seu tempo, Ney Matogrosso já era oitentão antes de ser modinha – segue lotando as casas onde canta. Ao chegar ao Qualistage para mais uma apresentação do show “Bloco na Rua”, no dia 1º de abril, às 21h30, o cantor nascido em Bela Vista, hoje Mato Grosso do Sul (na época o estado ainda não era dividido em dois), segue olhando para a frente, para as 82 primaveras e rosas de Hiroshima que chegam em agosto.

“Bloco na Rua” estreou em janeiro de 2019, primeiro o show, depois o disco e o DVD, em novembro daquele ano. O cantor prefere esse formato: pensa nas músicas – uma playlist afetiva colhida ao longo de uma carreira de mais de meio século –, vai para o palco e, depois de um tempo de maturação, entra no estúdio para registrar a coleção.

O problema, claro, foi aquele que parou o mundo inteiro: em 2020, a pandemia da Covid-19 congelou o mundo, e, com ele, “Bloco na rua”, que só agora chega ao Qualistage.

“Não é um show de sucessos meus, mas quis abrir mais para o meu repertório. Dessa vez eu misturei coisas que já gravei com o repertório de outras pessoas”, pontua Ney.

setlist é diverso: “Eu quero é botar meu bloco na rua” (Sergio Sampaio), de onde saiu o título da turnê e do disco, “A Maçã” (Raul Seixas), “Alcool (Bolero Filosófico)”, da trilha original do filme “Tatuagem” (DJ Dolores) ,“O Beco”, dos Paralamas do Sucesso,  gravada por Ney no final dos anos 1980, e “Mulher Barriguda”, do primeiro álbum dos Secos e Molhados, de 1973 (Solano Trindade/João Ricardo), são algumas das músicas escolhidas por ele.

Duas canções foram pinçadas do compacto duplo Ney Matogrosso e Fagner, lançado em 1975: “Postal do Amor”(Fagner/Fausto Nilo/Ricardo Bezerra) e “Ponta do Lápis” (Clodô/Rodger Rogério). Outros dois clássicos que Ney nunca havia cantado, “Como 2 e 2” (Caetano Veloso) e “Feira Moderna”( Beto Guedes/Lô Borges/Fernando Brant), também estão no roteiro.

O figurino, sempre aguardado com expectativa em se tratando de um show de Ney Matogrosso, foi criado sob medida pelo estilista Lino Villaventura. Luiz Stein assina o cenário, composto por projeções, e Juarez Farinon a luz do espetáculo, com supervisão de Ney.

A banda afiada é a mesma que o acompanhou nos últimos 5 anos, reunindo Sacha Amback (direção musical e teclado), Marcos Suzano e Felipe Roseno (percussão), Dunga (baixo), Mauricio Negão (guitarra), Aquiles Moraes(trompete) e Everson Moraes (trombone).

NEY MATOGROSSO

Sábado – 1º de abril, às 21h30  

Local: Qualistage 
Av. Ayrton Senna, 3000 – Barra da Tijuca 
A casa abre 1h30 antes ​

Preço a partir de R$ 120,00
Classificação etária: 18 anos – Menores somente acompanhados dos pais ou responsáveis legais
Capacidade: 9 mil pessoas em pé ou 3.500 sentadas
O espaço possui acessibilidade
A casa segue os protocolos de segurança

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui