Início » Nova bandeira do MAR posiciona mulher negra no topo do museu

Nova bandeira do MAR posiciona mulher negra no topo do museu

Criada pela artista Rosana Paulino, obra traz conceito da filósofa Lélia Gonzalez e propõe reflexões sobre lugar de fala da mulher negra e ancestralidade afro-brasileira

por Redação
Bandeira MAR

O Museu de Arte do Rio vai hastear no dia 27 de outubro sua nova bandeira. Inspirada pelo conceito de “Pretuguês” da filósofa Lélia Gonzalez, a obra foi criada especialmente para o MAR pela artista Rosana Paulino. Na bandeira, Rosana traz a imagem de perfil de uma mulher negra cuspindo espadas de São Jorge, propondo assim reflexões sobre feminismo, lugar de fala da mulher negra e ancestralidade afro-brasileira.

“Pretuguês” se refere ao modo popular do brasileiro falar que, para a norma culta da língua, é entendido como erro. Para Lélia Gonzalez, o jeito de falar brasileiro na verdade é o resquício do encontro das línguas africanas dos povos que vieram para o Brasil na diáspora da escravidão com o português clássico de Portugal. Segundo Rosana, trazer a frase de uma pensadora negra como Lélia é uma oportunidade de discutir questões relativas ao racismo como o feminismo negro e a demonização dos elementos de poder ligados à cultura negra.

“A ideia da bandeira é de trazer elementos inerentes à cultura negra e, assim, discutir questões relativas ao racismo como o uso – e demonização, por algumas pessoas – dos elementos de poder ligados à cultura negra, como é o caso das plantas de Axé, representadas pela Espada de Iansã, Orixá feminino de grande força e presença na cultura afro-brasileira. Ao trazer a frase de uma intelectual mulher, levantamos também a questão da presença e força feminina negra no país nesse momento. Não seremos mais caladas. As palavras são a nossa força, daí o modo como aparece simbolicamente como “arma”, como espada e lâmina no formato da planta ritual que é a espada de Iansã”.

Além da bandeira inédita, Rosana Paulino possui obras na exposição principal do MAR, Um Defeito de Cor. A artista também foi a primeira mulher negra a ter uma mostra individual exposta no museu, com “Rosana Paulino: A Costura da Memória”, em 2019. Para o Curador-Chefe do MAR, Marcelo Campos, ao trazer o conceito de “pretuguês” de Lélia Gonzalez em sua obra, a artista abre dois caminhos de reflexão para o público à respeito da ancestralidade afro-brasileira e do lugar de fala da mulher negra na nossa sociedade.

“Quando a gente convida Rosana Paulino para fazer a nossa bandeira, estamos abrindo duas vertentes de reflexão: o pensamento em torno da posição social de pessoas negras e racializadas na nossa sociedade e o lugar de fala onde a mulher negra vai emitir sua opinião e construir seu pensamento e sua filosofia. Nesse sentido, a nova bandeira do MAR simboliza um português não será o do colonizador, mas sim o pretuguês. Essa bandeira, esse pretuguês é uma espécie de ato político, porque é o lugar onde a mulher negra agora fala e onde ela se posiciona”.

Segundo o Diretor e Chefe da Representação da OEI no Brasil, Raphael Callou, o hasteamento da bandeira é uma forma do MAR reafirmar a importância de ter a mulher negra no lugar mais alto do museu.

“Trazer a Rosana Paulino para fazer a bandeira é seguir a vocação que nós acreditamos. O MAR é um museu que encontra sua vocação quando se posiciona. Nesse sentido, nós sempre procuramos trazer exposições e ocupações que estejam vinculadas às questões sociais, afro-brasileiras e indígenas e às questões de território. Nós também sabemos da importância da Rosana no cenário da arte brasileira e internacional. Dessa forma, trazê-la para o MAR e colocá-la no topo do museu é muito representativo”.

Para comemorar o hasteamento da bandeira, o MAR vai realizar uma programação especial. Na quarta-feira, dia 26, às 16h30, teremos a Conferência “Desde o mar, uma missiva, um mapa: o corpo-mãe da narrativa de Um Defeito de Cor”, com a professora e pesquisadora Fabiana Carneiro da Silva que irá debater temas fundamentais presentes na exposição Um Defeito de Cor e na bandeira de Rosana Paulino, como feminilidade e negritude.

Já na quinta-feira, dia 27, o hasteamento da bandeira será seguido de uma conversa entre a artista Rosana Paulino e a escritora Ana Maria Gonçalves com sessão de autógrafos, e de uma roda de samba nos pilotis do museu.

Quem é Rosana Paulino?

Nascida em 1967 em São Paulo, Rosana Paulino é artista visual, educadora e curadora, sendo uma das principais artistas contemporâneas vivas do Brasil. Doutora em Artes Visuais pela USP, Rosana tem se destacado por sua produção ligada a questões sociais, étnicas e de gênero, abordando temas como a posição da mulher negra na sociedade brasileira, a violência racial e as marcas deixadas pela escravidão. Possui também obras importantes em espaços expositivos como o Museu de Arte Moderna de São Paulo, Pinacoteca do Estado de São Paulo e o Museu Afro-Brasil – São Paulo.

Serviço: 

Conferência “Desde o mar, uma missiva, um mapa: o corpo-mãe da narrativa de Um Defeito de Cor” com a pesquisadora Fabiana Carneiro da Silva

Data: Quarta-feira, 26 de outubro, às 16h30

Local: Auditório do 5º andar

Hasteamento da Bandeira Pretuguês

Data: Quinta-feira, 27 de outubro, às 16h

Conversa entre Ana Maria Gonçalves e Rosana Paulino + Sessão de autógrafos

Data: Quinta-feira, 27 de outubro, a partir das 16h30

Local: Pilotis

Roda de Samba “Canta, canta”

Data: Quinta-feira, 27 de outubro, a partir das 18h

Local: Pilotis

Museu de Arte do Rio – MAR

Praça Mauá, 5 – Centro

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via