O resgate de parte do PIS e Cofins sobre cigarros e outras fontes de recuperação

A Justiça Federal do Rio de Janeiro em junho de 2020 através de um julgado pelo Superior Tribunal de Justiça aprovou a restituição de Pis e da Cofins sobre vendas de cigarros, porém em maio deste ano essa decisão foi atualizada não permitindo a recuperação do crédito por varejistas que vendem o produto abaixo do valor tabelado. 

A compensação do valor tem como fundamento a forma que é feito o cálculo dessas contribuições, em que tem base em uma estimativa de faturamento, que se não alcançado para a aplicação da alíquota do PIS e Cofins, então também precisa diminuir.

Segundo a advogada especialista em tributário e CEO da TAX VISION, Luiza Leite, os varejistas podem optar por dois caminhos: “Eles devem solicitar a restituição dos valores judicialmente, ou realizar o aproveitamento dos valores diretamente pela via administrativa. Tendo em vista a existência de julgamento pelo STF, em sede de repercussão geral, da tese favorável aos contribuintes, o risco de seguir pela via administrativa é remoto, além de mais ágil”, analisa.

A especialista também explica como é possível verificar se o empreendedor tem ou não direito à restituição. “Devemos analisar o histórico de venda desses produtos nos últimos 5 anos, juntamente com os valores pagos a título de Pis e Cofins. Com isso, o que se estima em média é o valor a recuperar em torno de 7,3% do valor final da venda, dos últimos cinco anos”, esclarece Luiza.

A CEO da TAX VISION explica como tem obtido sucesso com seus clientes com essa crescente demanda, “Somos uma plataforma de identificação de oportunidade de créditos tributários com foco em varejistas e postos de gasolina. Desde o início das nossas atividades já identificamos oportunidade para compensação/restituição de valores pagos indevidamente para mais de 300 clientes, foram 48 milhões de créditos já identificados para clientes e em processo de restituição, e isso foi possível com o auxílio de uma plataforma que nós mesmos desenvolvemos para essa procura aliado a uma metodologia própria”, explica.

Com as constantes movimentações do setor tributário que vem acontecendo, está havendo mais possibilidade do contribuinte resgatar parte do valor, o que aumenta a busca por escritórios especializados por esse serviço. Esse foi um dos motivos que Luiza está transferindo a sede da TAX VISION para Brasília, como comenta, “temos clientes no Brasil todo, mas temos foco no sul (SC, PR, RS), SP, RJ, MT e agora estamos expandindo a nossa operação para o centro-oeste e nordeste. A busca por nossos serviços cresceu muito, temos clientes de redes famosas de supermercado e varejistas, como a Rede Curti, Rede Mime, RedeSim, Havan, Imperatriz Supermercado, Supermercado Maranata, dentre outros’, sinaliza a CEO da TAX VISION.  

Recuperação tributária de impostos sobre produtos monofásicos

Ainda sobre Pis e Cofins, com base na Instrução Normativa 2055/21 da Receita Federal, é isentado o vendedor ou ao revendedor da cobrança do Pis e Cofins nos produtos monofásicos, sendo de responsabilidade do fabricante ou importador do bem. 

Sobre o Pis e Cofins do combustível, esse mês foi concedida uma liminar que garante ao consumidor final o direito ao crédito do Pis e da Cofins durante 90 dias. Essa MP é para alterar a Lei Complementar nº 192 que defendia direito apenas aos postos de gasolinas e produtores. A decisão segue no Plenário Virtual. 

Já sobre o Pis e Cofins pelo transporte de produtos acabados efetuados por estabelecimentos da mesma empresa, o CARF entendeu que não gera direito de crédito.  

A recente movimentação da tributação dos combustíveis também foi impactada por um PL, em que na proposta defende que alíquota zero de Pis e Cofins sobre etanol e etanol anidro, tenha validade até junho de 2027, enquanto no caso da gasolina seja válida apenas este ano. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui