Renata Carvalho debate transfobia com “Manifesto Transpofágico” no Teatro Firjan Sesi Centro

Renata Carvalho
Renata Carvalho - Foto Danilo Galvão

Após estrear em São Paulo em 2019 e realizar, a partir de 2021, uma temporada de sucesso que abarcou países da Europa como Itália, França, Espanha, Irlanda e Holanda, além de Uruguai, Chile e Estados Unidos, “Manifesto Transpofágico” finalmente chega ao Rio de Janeiro. Continuidade de uma pesquisa cênica sobre o corpo travesti realizada por Renata Carvalho, que encena o solo e assina a sua dramaturgia, a montagem dirigida por Luiz Fernando Marques (Lubi) que aporta no dia 17 de abril às 19h no Teatro Firjan Sesi Centro fala direto com a plateia, como um depoimento, mas também a envolve neste jogo cênico.

A transpofagia de Renata consiste em se alimentar das suas e dos seus – da sua transcestralidade – as digerindo e devolvendo em arte, literatura e/ou educação – Carvalho é graduanda em Ciências Sociais e estuda os corpos trans desde 2007. Neste manifesto, Carvalho convida o público a olhar incansavelmente para o seu corpo travesti e lhe apresenta a historicidade dele. Para isso, pensou em cada detalhe para que a plateia se sinta acolhida em absoluto – do título da montagem à narrativa, passando pela iluminação e o volume do som.

“A peça inicialmente teria o nome de ‘Eu travesti’, mas quando a escrevi estava sendo muito atacada por representar Jesus em ‘O evangelho segundo Jesus, Rainha do céu’ e também pelo lançamento do MONART (Movimento Nacional de Artistas Trans) e do ‘Manifesto Representatividade Trans’, com a luta pela pausa na prática do transfake”, relembra Renata sobre seus projetos. “Existia – e existe – uma dificuldade das pessoas em pronunciar a palavra travesti, e acreditei que a peça teria dificuldade para entrar em cartaz e ser noticiada. Então resolvi dar um nome mais teatral, mais digestivo, que soasse confortável aos ouvidos”, ironiza Carvalho, que também fundou o Coletivo T – primeiro coletivo artístico formado integralmente por artistas trans.

A ideia da também diretora e ativista dos direitos humanos e LGBTQIAPN+, com foco nas pessoas trans e travestis, é despertar a consciência do nosso grau de transfobia em 2023. “Qual é a imagem da travesti que todes nós ainda precisamos desconstruir? Onde cada um de nós estamos nessa estrutura transfóbica? A narrativa é construída para que nada abale a fragilidade cisgênera e desvie do tema. A música não é alta, as luzes na plateia acendem gradualmente. Estou microfonada, não grito para não colocarem esse corpo como violento. Falo de forma calma e pausadamente, entre 6 e 8 hertz – volume agradável aos ouvidos. As palavras são bem escolhidas, não podem ser impositivas ou acusatórias. Estudei comunicação não-violenta para conseguir me comunicar melhor, valorizando assim as minhas ideias/texto/palavras/arte, e aprendendo a controlar melhor a minha raiva”, adianta Renata.

O espetáculo é dividido em duas partes: na primeira, um corpo apenas de calcinha no palco narrando, dentre outras coisas, o devir travesti daquele corpo denunciando a construção social, criminal, patológica, sexualizada, religiosa e moral que permeia o imagético do senso comum sobre o que é ser uma travesti / ter um corpo travesti. Na segunda parte, a proposta provoca uma conversa ética e sincera com o público de e em 2023. “O que o meu corpo travesti ainda carrega do que foi mostrado no palco? O que todes nós que estamos nesse teatro/espaço ainda carregamos daquela época? Por que ainda carregamos? É aberto ao público fazer qualquer pergunta, comentário, depoimento. Se quisermos juntes, este será o lugar onde podemos errar, e com isso, aprender”, acredita Carvalho.

Renata nomeia seu estudo: “Transpologia”, que denuncia a construção social, midiática, patológica, religiosa, criminal e hipersexualizante que permeia o imaginário do senso comum sobre pessoas trans/travestis. O imagético construído com o auxílio das artes com suas narrativas viciadas, estereotipadas e cheias de arquétipos com conteúdo transfóbico em suas apresentações e representações, a transfobia recreativa e o corpo risível das pessoas trans/travesti na arte e no humor, e por fim, a prática do transfake, que exclui corpos trans/travestis dos espaços de atuação e criação artística.

Falar de transfobia no país que mais mata transexuais e travestis pode ser desafiador, mas Renata Carvalho entende que sua missão em cena também é educacional. “Acho que o meu maior desafio é transformar essas pautas em arte, dar luz a algo que possa causar reflexão em quem assiste. Esta luta também é pedagógica. Como também estou no processo de aprendizagem, tento acolher toda pergunta/ comentário/depoimento não interrompendo para corrigir, por exemplo, e sem julgar a fala. O espetáculo propõe um diálogo ético e sincero sobre o tema, então preciso acolher essas falas, senão eu travo o jogo, as pessoas não abrem mais a boca e vão para casa com tudo internalizado”, considera.

Dedicada à escrita de textos, roteiros e livro, Renata segue em pesquisa para “Diáspora“, peça que, sob sua direção e dramaturgia, vai narrar a histórias de travestis e mulheres trans que saíram do Brasil sonhando com uma vida melhor na Europa. Está também escrevendo e dirigindo alunos da Universidade de Lille, na França, e ampliando o MONART para a Itália e Portugal. No streaming, poderá ser vista nas séries do Globoplay “As Five” (3º temporada) e “FIM”. E no cinema, no curta-metragem “Dinho”, de Leo Tabosa, e no longa-metragem “Salomé”, de André Antônio.

“Acredito que tenha conseguido tornar o debate público sobre a presença de corpos trans nas artes por estar nela há 27 anos. Por ter conseguido permanecer, produzir, errar, repetir, de ter a prática do fazer artístico e, dentro desse fazer, nasce a pesquisadora e transpóloga que verticaliza o tema. E na busca do meu eu, do meu ser travesti, encontrei meu coletivo, minha transcestralidade, meu ser político. Essas junções possibilitaram a consciência e o despertar para conceituar essas ausências. É a arte cumprindo seu papel”, finaliza Renata Carvalho.

SINOPSE:

“Hoje eu resolvi me vestir com a minha própria pele. O meu corpo travesti”. Renata “se veste” com seu próprio corpo para narrar a historicidade da sua corporeidade. Renata se alimenta da sua “transcestralidade”. Come-a, digere-a. Uma transpofagia. O Corpo Travesti como um experimento, uma cobaia. Um manifesto de um Corpo Travesti. Letreiro pisca TRAVESTI. TRAVESTI. TRAVESTI.

FICHA TÉCNICA:

  • Dramaturgia e Atuação: Renata Carvalho
  • Direção: Luiz Fernando Marques (Lubi)
  • Luz: Wagner Antônio
  • Video Art: Cecília Lucchesi
  • Operação e adaptação de luz: Juliana Augusta
  • Produção: Corpo Rastreado
  • Assessoria de Imprensa: Marrom Glacê Assessoria
  • Co-produção: Risco Festival, MITsp e Corpo Rastreado.
  • Difusão: Corpo a Fora e FarOFFa

SERVIÇO:

“MANIFESTO TRANSPOFÁGICO”

Temporada: 17 de abril a 30 de maio*

*Não haverá espetáculo nos dias 1º e 02/05

Dias da semana: Segundas e terças-feiras, às 19h

Ingressos: R$ 30 (inteira) / R$ 15 (meia-entrada)

Link de vendas: https://bileto.sympla.com.br/event/81149?utm_source=site-symplabileto-production&utm_medium=webapp_share&utm_campaign=webapp_share_event_81149

Local: Teatro Firjan SESI

Endereço: Av. Graça Aranha, nº 1 – Centro

Informações: (21) 2563-4163

Lotação: 338 lugares

Classificação Indicativa: 16 anos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui