ÂNIMA: Novo espetáculo da filósofa Lúcia Helena Galvão no Teatro Fashion Mall

Terceiro texto para teatro de uma das escritoras mais assistidas no YouTube conta os feitos de grandes mulheres na história pelo olhar de uma tecelã (Beth Zalcman)

Os pensamentos, a coragem e as lutas de Joana d’Arc, Hipátia de Alexandria, Marguerite Porete, Helena Blavatsky, Harriet Tubman e Simone Weil são o fio condutor de “ÂNIMA”, novo texto para teatro da escritora e filósofa Lúcia Helena Galvão, em cartaz até 30 de junho, no Teatro Fashion Mall e com nova temporada confirmada, de 8 a 18 de agosto, no Teatro Clara Nunes (quinta a sábado, às 20h; domingo, às 19h). No monólogo, uma tecelã, interpretada por Beth Zalcman, entrelaça fios em busca da sua ancestralidade feminina, por meio das vozes destas grandes idealistas e pensadoras da humanidade. Cada fio revela histórias e conquistas dessas mulheres.

O espetáculo conta com encenação de Luiz Antônio Rocha que, ao lado de Beth, repete a parceria de sucesso iniciada com o aclamado “Helena Blavatsky, A Voz do Silêncio”, visto por cerca de 50 mil pessoas, que rendeu o Prêmio Cenym de Melhor Atriz 2023. 

Antes da estreia, no dia 31 de maio, a autora Lúcia Helena Galvão estará no Teatro Fashion Mall para o lançamento e sessão de autógrafos de seu novo livro, “Helena Blavatsky: A Voz do Silêncio” (Hanoi Editora), que traz o texto da peça homônima.

“ÂNIMA” segue em cartaz até 30 de junho, sexta e sábado, às 20h; e domingo, às 19h. Nos dias 7, 8 e 9 de junho, segunda semana, não haverá espetáculo.

Espetáculo quer retratar o poder transformador das mulheres

“ÂNIMA” surgiu a partir de uma frase da filósofa Delia Steinberg Guzmán: “Desde sempre e para sempre toda mulher tem parentesco com a primeira estrela brilhante que levou luz ao azul profundo do céu”. Deste fragmento, a pensadora Lúcia Helena Galvão extraiu a inspiração para levar aos palcos a existência e a história de mulheres que sacrificaram suas próprias vidas em prol de um ideal.

“A coragem e a resistência à adversidade são características inerentes a muitas mulheres, especialmente quando o amor e a compaixão estão em jogo”, afirma a autora, que completa: “Este é um belo ‘arsenal’ de habilidades femininas. Embora não pretendamos esgotar todo o potencial feminino com essa breve reflexão, queremos destacar o poder transformador que as mulheres trazem consigo. Elas preenchem muitos dos ‘vazios’ que tanto afligem a humanidade, e é fundamental reconhecer e valorizar suas contribuições”.

Não somente as mulheres citadas no espetáculo, mas muitas outras também exerceram imenso poder e transformação ao longo da história.

“Cada mulher escolhida pela autora Lúcia Helena Galvão é uma semente deixada, de alguma forma, no tempo e no espaço que carregamos na nossa existência. ‘Ânima’ é o feminino em sua máxima expressão. Cabe agora a mim, atriz, girar a roda do tear e dar vida a elas!”, enfatiza Beth Zalcman.

Pensadoras citadas no espetáculo deixaram suas marcas na história

“ÂNIMA” quer contribuir para a compreensão da condição feminina em seus diferentes aspectos culturais, inclusive determinando as imagens do feminino no mundo contemporâneo. 

A primeira mulher escolhida pela autora é a filósofa e matemática Hipátia de Alexandria, uma culta investigadora que foi vítima do fanatismo de seu tempo. Depois, está Marguerite Porete, a grande pensadora e mística do século XII, que nos legou a reconhecida obra “Espelho das Almas Simples e Aniquiladas que Permanecem Somente na Vontade e no Desejo do Amor”, que lhe rendeu uma condenação à morte na fogueira.

A inesquecível guerreira e idealista Joana D’Arc, condenada à fogueira, também compõe a narrativa no espetáculo. Além dela, a escritora Helena Blavatsky, duramente condenada por seus contemporâneos por sua ousadia e originalidade; a brilhante Harriet Tubman, escrava foragida que libertou da escravidão muitos outros companheiros; e, por fim, a corajosa e autêntica filósofa francesa Simone Weil, dotada de uma capacidade ímpar de ver simbolicamente a vida e aprofundar-se em seus segredos mais íntimos.

“‘ÂNIMA’ é uma peça que fala da alma feminina. Beth é uma atriz incrível que mergulha e responde às propostas com muita rapidez e o texto da Lúcia vem imbuído de camadas. Sinto-me um diretor que entende a alma feminina, trabalhando com duas super mulheres em busca da ancestralidade”, completa Luiz Antônio Rocha, festejando sua terceira parceria com Beth e Lúcia Helena Galvão. 

SINOPSE: “ÂNIMA” é uma história sobre mulheres que mudaram o curso da história da humanidade contada por uma tecelã. Ela entrelaça os fios da vida em busca de sua ancestralidade feminina dando voz a mulheres idealistas e pensadoras, como: Joana d’Arc, Hipátia de Alexandria, Marguerite Porete, Helena Blavatsky, Harriet Tubman e Simone Weil. Cada fio conta uma história, que escrito nas estrelas, ecoa através dos séculos.

FICHA TÉCNICA:

  • Argumento e texto original: Lúcia Helena Galvão
  • Interpretação: Beth Zalcman
  • Encenação: Luiz Antônio Rocha
  • Projeto de luz: Ricardo Fujii
  • Figurino: Thanara Shornadie
  • Trilha sonora e preparação vocal: Breno Pezurno
  • Preparação corporal : Miriam Weitzman
  • Fotos: Marcelo Estevão – Modus Focus
  • Mídias sociais: Felipe Pirillo
  • Visagismo: Neandro
  • Direção de Produção: Luiz Antônio Rocha
  • Produção executiva: Zilene Vieira
  • Parceria: Nova Acrópole
  • Realização: Espaço Cênico, Mímica em Trânsito e Teatro em Conserva

SERVIÇO:

ÂNIMA

  • Estreia: 31 de maio de 2024
  • Temporada: de 31 de maio de 2024 a 30 de junho de 2024
  • Horários: sexta e sábado, às 20h; domingo, às 19h
  • Local: Teatro Fashion Mall (Estrada da Gávea 899, 2 piso, São Conrado)
  • Ingressos: R$120 (inteira), R$60 (meia-entrada) e R$70 (Vivo Valoriza)
  • Informações: (21) 99857-8677
  • 430 lugares. 60 minutos. 12 anos.

Vendas antecipadas: https://bileto.sympla.com.br/event/92852/d/250164/s/1707505