Início » Festival Internacional do Audiovisual Negro no Brasil / Fianb 2022

Festival Internacional do Audiovisual Negro no Brasil / Fianb 2022

entre os dias 23 e 27 de novembro, em São Paulo. Contará com a participação da Cultne

por Redação
Dom Filó

Pensar Memória e Futuridades é a temática da 3ª edição do festival, que este ano propõe pensar: “O audiovisual negro como um espaço de uma convocação para a vida”.

A abertura do evento, contará com conversa performática com Dom Filó – CEO da Cultne, discutindo sobre a presença e a permanência negra na história do país em 40 anos de imagens preservadas e difundidas pela plataforma. Nesta quarta-feira, a partir das 19h. Dando seguimento aos festival, no dia 24/11, a partir das 10h30, a mesa Expansões e Futuridades recebe Grace Passô, Janaína Oliveira e Tatiana Carvalho Costa, para um papo sobre como o cinema e o audiovisual, com suas interseções, ajuda a elaborar experiências negras.

O Projeto é uma parceria com Cultne (Sediada no Rio de Janeiro, trabalha desde 1980 no registro da memória e fomento da cultura do povo negro. Atualmente é o maior acervo audiovisual de cultura negra da América Latina. Deste movimento estruturado por pessoas afro-brasileiras, nasceu a TV, o Instituto, a Rede de Educação, a Editora, a Produtora Audiovisual e a parceria com o Google Arts and Culture) e Apan – APAN (Considerado o Quilombo do Cinema Negro brasileiro e tem como missão consolidar nos mais distintos campos do audiovisual a presença de pessoas negras de maneira a promover nossas narrativas, transformar a percepção da sociedade com relação a negritude, combater o racismo estrutural e referenciar possibilidades de construção coletiva, dentre pessoas negras, nas políticas públicas e no mundo do trabalho), com o propósito de manter e resgatar a memória e o futuro do cinema e do audiovisual negros no Brasil

Filó Filho, leia-se Dom Diló, é o idealizador e diretor do acervo que também é uma TV digital Cultne, detém uma quantidade significativa de cultura negra da América Latina. Dom Filó é tutor de momentos importantes da história do povo negro brasileiro, como a Conferência de Durban, em 2001. Sem falar nos inúmeros depoimentos e entrevistas de pensadores negros como Lélia González, Ivanir dos Santos, Abdias do Nascimento, entre outros.

Para Filó, o festival é mais que significativo – “É um encontro da minha geração com a geração de jovens profissionais do audiovisual negro, e todos nós buscamos o letramento audiovisual, que eu fui buscar dentro da memória pública e hoje é construída de formas muito mais diversas.. Então, isso é muito importante, estar trocando conhecimento e perspectivas das formas de fazer e pensar o audiovisual negro, porque é firmar um momento de transformação da linguagem e do cinema brasileiro operado pelo nosso protagonismo”, declarou o mestre que realizou recentemente a 3º edição do Festival Ori, que tinha como mote aproximar e integrar a audiência de todas as idades e classes sociais à pluralidade cultural afro-brasileira, ocupando e integrando os territórios do Rio de Janeiro nos ambientes virtual e presencial. Uma realização do Instituto Cultne, que ganhou apoio do SESC, Fundição Progresso e Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

O Fianb – A programação acontecerá nos espaços: Frei Caneca, Centro Cultural São Paulo e Ibira Laqb Cine. De 23 e 27 de novembro, em São Paulo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via