Início » LFA oficializa retorno ao Brasil com duas disputas de cinturão em março, no Rio

LFA oficializa retorno ao Brasil com duas disputas de cinturão em março, no Rio

por Redação
Daniel Mauro, Fábio Alonso e Rafael Feijão

A LFA confirmou seu retorno ao Brasil. Em sua 126ª edição, a maior liga de desenvolvimento de lutadores de MMA do mundo acontece no Complexo Ribalta, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, no dia 11 de março. O card conta com duas disputas de cinturão. Na luta principal, Jonas Bilharinho e Rafael “Coxinha” duelam pelo título dos penas; na cor principal, Eduardo Garvon e Gabriel “Marretinha” se enfrentam valendo a coroa dos meio-médios. O evento terá transmissão, ao vivo, pelo Sportv 3, Canal Combate e, para fora do Brasil, pelo UFC Fight Pass.

A vontade de trazer ao Brasil a inovação do MMA foi grande e muito sonhada. Assim, Ed Soares, CEO do LFA, convidou grandes nomes com conhecimentos específicos na modalidade e nomeou Daniel Mauro, CEO da Wipi Telecomunicações, como organizador e diretor do LFA do Brasil. Daniel tem vasto conhecimento no universo do MMA, inclusive à frente da marca ‘Face to Face’, com várias edições.

Rafael Feijão, ex-campeão do Strikeforce e com passagens pelo UFC, 41 anos, também diretor do evento, comemora a iniciativa mais do que positiva para a modalidade no país.  “A ideia do LFA é formar novos ídolos. Esse é o objetivo. É o evento que mais manda atletas para o UFC, maior evento do planeta de MMA”, diz Feijão.

Os ingressos estão à venda no site https://vamoapp.com/events/11257/lfa-126

E o card está afiado. Com um cartel de nove vitórias, sendo sete por nocaute (78%), uma derrota e um empate, Jonas Bilharinho vem de um triunfo espetacular no Dana White Contender Séries, em novembro do ano passado. O brasileiro nocauteou o havaiano Canaan Kawaihae com um chute giratório na cabeça. O fato do UFC não tê-lo contratado pegou todo mundo de surpresa. Agora, o lutador de 3 anos tem a chance de se tornar campeão na companhia que mais exporta atletas para o Ultimate.

Apesar de ser sete anos mais novo que Bilharinho, Rafael Barbosa, o “Coxinha”, possui mais lutas que o oponente. Das 18 vezes que subiu ao cage, o especialista em karatê saiu vitorioso em 14 delas, sendo cinco por nocaute (36%) e quatro por finalização (29%). Outra vantagem que pesa a favor do karateca é o fato dele já estar ambientado ao LFA, evento no qual lutou três vezes entre 2019 e 2020, todas nos EUA. Foram duas vitórias, sobre Cameron Graves e Nate Jannerman, e uma derrota, para Jamall Emmers, respectivamente. Inclusive, sua estreia na organização foi elogiada por Dana White: “Barbosa está 10-1… ele tem 21 anos. Esse garoto tem muito mais tempo para aprender e crescer”, disse o presidente do UFC.

Um dos postulantes ao cinturão dos meio-médios, Eduardo Garvon, 25 anos. O paranaense é uma grande aposta do MMA brasileiro. E quem tem a missão de pará-lo  é outra das principais promessas da divisão em ação no Brasil: o brasiliense Gabriel Bonfim, conhecido pela alcunha de “Marretinha”. Apesar do apelido que remete a nocautes, o lutador de 24 anos fez a maioria de suas vítimas utilizando toda a sua habilidade na luta-livre esportiva. Invicto no MMA, ele venceu as 11 lutas, oito delas por finalização (73%) e três por nocaute. Ou seja, além de jamais ter perdido, “Marretinha” sequer precisou da avaliação dos jurados para vencer.

O evento conta com o patrocínio master da Wipi Telecomunicações e com o patrocínio do Laboratório Contraprova. “Entendemos que é uma boa estratégia de divulgação para marca, pois é um esporte que acreditamos muito estar em pleno crescimento. Gostamos muito de investir nessa modalidade! Uma das razões se refere à história dos atletas, às dificuldades que eles enfrentam diariamente e, claro, à importância deste evento para o Brasil, um dos principais exportadores de bons lutadores. Acreditamos muito! E o retorno de mídia que a gente encontra no MMA é um dos mais difíceis de se conseguir em qualquer investimento de esporte. Por isso, acreditamos no MMA como uma grande fonte de marketing positivo para nossa empresa e também para o fortalecimento da marca”, declara Daniel Mauro.

“O Contraprova desde sua criação tem grande interface com o esporte, tendo atuado em diversos casos de doping positivo, como na defesa do jogador peruano Paolo Guerrero, culminando com sua liberação para jogar a última Copa do Mundo. O esporte está no nosso DNA e apoiar esse evento é o resgate dessa nossa vocação. É um grande prazer vincular nossa marca a um evento do porte do LFA”, afirma Fábio Alonso, CEO do Contraprova.

Confira abaixo o card do evento:

LFA 126
Complexo Ribalta, Rio de Janeiro-RJ
Sexta-feira, 11 de março de 2022

Peso-pena: Jonas Bilharinho x Rafael Coxinha
Peso-meio-médio: Gabriel Marretinha x Quemuel Ottoni
Peso-leve: Ismael Bonfim x Andrey Augusto
Peso-pesado: André Vieira x Eduardo Neves
Peso-meio-pesado: Rodolfo Bellato x Thiago Vieira
Peso-mosca: Inaildo Santos x Mateus Brauns
Peso-pena: Gabriel Braga x José Delano

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via