Início » Novembro negro: Ocupação Cultural Torojí promove atividades gratuitas na região central do Rio de Janeiro

Novembro negro: Ocupação Cultural Torojí promove atividades gratuitas na região central do Rio de Janeiro

Em 2023, a Ocupação abrirá uma Casa de Cultura para oferecer, de forma gratuita, oficinas e cursos voltados para a cultura negra

por Redação

Uma ocupação negra irá tomar as ruas da região central da cidade do Rio de Janeiro, a partir de novembro. Com o objetivo de democratizar o acesso à arte e cultura, a Ocupação Cultural Torojì, formada por artistas e produtores culturais, durante todo o mês irá promover eventos gratuitos. Com roda de samba, feira gastronômica e muita música, o projeto tem criação e coordenação geral do articulador cultural, músico, cantor e compositor Pipa Vieira. Os encontros começam neste domingo (11), às 16h, na Praça dos Estivadores.

Como não poderia ser diferente, a abertura será com uma roda de samba, o Pagode do Pipa. A roda integra o Programa de Desenvolvimento Cultural Rede Carioca de Samba da Secretaria Municipal de Cultura, que tem como objetivo valorizar e incentivar novos compositores. Além disso, a inauguração conta com a abertura da exposição Movimentos e a exibição de três sessões do filme A rota dos Escravos.

E durante todo mês de novembro a programação continua com a tradicional Roda de Samba da Pedra do Sal, Baile do Big Bang com Dj Aranha da Rocinha, forró com Marcelo Mimoso, Encontro de Capoeirista, Roda de Samba Tempero de Criola, Baile da mulher preta, organizado por mulheres negras DJ’s e rappers. E no dia 27, fechando a primeira rodada de eventos da ocupação, acontece o Pagode do Pipa. Todas as atividades são gratuitas e contam com uma feira gastronômica e expositores.

A ideia da Ocupação Cultural Torojì surgiu a partir de uma experiência do músico e compositor na Argentina, onde foi convidado pelo coordenador de intercâmbio do Museu de Arte Contemporânea Latinoamericano. Na Argentina, Pipa participou de um evento de percussão chamado La Bomba, que tem 16 anos de estrada.

— A composição do grupo em tempo real é realimentada com a energia do público, tornando cada espetáculo único e irrepetível. Então percebi que a potência cultural de um evento de percussão é muito grande — disse ele, que vivenciou em ação o grupo que já passou por 65 países, atingiu mais de cinco milhões de espectadores, com cerca de 700 artistas convidados.

Em 2020, Pipa, em parceria com a Agência de Notícias das Favelas (ANF), começou a escrever um edital voltado para percussão, que foi aprovado este ano. E, além das atividades culturais, a proposta é que no primeiro semestre de 2023, a Ocupação abra as portas da mais nova Casa de Cultura da região, onde acontecerão oficinas gratuitas de percussão e diferentes elementos da história negra.

Um fator importante na escolha do local onde a Casa está localizada, no centro da cidade, é a história de luta e resistência que permeia o território, que sempre foi um espaço de ocupação negra. Com a região da Pequena África e do Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana em seu entorno, a proposta da Casa é fortalecer a presença da memória e cultura afro-brasileira.

— Minha ideia é que a escola de percussão se comunicasse diretamente ao universo da roda de samba e do pagode de mesa, com a instrumentação criada nos guetos do Rio de Janeiro. Também foi importante entender onde executar esta ideia, já que o objetivo também é passar todo o nosso conhecimento para a comunidade — concluiu.

Em complementação dos cursos, a Ocupação vai realizar festividades, debates e rodas de samba como forma de arrecadação de fundos para o funcionamento do espaço.

Projeto Movimentos da Ocupação Cultural Torojì

Tem a finalidade de estimular a produção, valorização, difusão e circulação da cultura negra em suas múltiplas manifestações, garantindo o acesso à educação artística e ao desenvolvimento da criatividade. Além do resgate e da valorização da memória cultural negra, o projeto visa o crescimento da economia criativa na região central.

Pipa Vieira

Cantor, compositor e produtor cultural, o artista é autodidata e aprendeu a tocar diversos instrumentos ainda criança, em casa, nas festas em que sua avó realizava. A abertura da casa contribui, principalmente para uma das missões de vida de Pipa: compartilhar seu aprendizado com os jovens negros e periféricos. Assim, a cultura negra poderá ser preservada e mantida de diversas formas.

Serviço

Abertura da casa – Pagode do Pipa

Dia: 11 de novembro

Horário: 16h

Além da Exposição Movimentos, o evento terá a exibição do filme “A Rota dos Escravos”, com três sessões ao longo do dia e uma roda de conversa sobre a obra.

Roda de Samba da Pedra do Sal

Dia: 11 de novembro

Horário: 18h

Baile do Big Bang com Dj Aranha da Rocinha

Dia: 12 de novembro

Horário: 16h

O evento terá feira gastronômica e de moda.

Forró com Marcelo Mimoso

Dia: 13 de novembro

Horário: 13h

Encontro dos Capoeiristas

Dia: 18 de novembro

Horário: 15h

Encontro dos Sambistas

Dia: 19 de novembro

Horário: 16h

Festa Zumbi dos Palmares

Dia: 20 de novembro

Horário: 14h

Tempero de Criola (roda de samba)

Dia: 25 de novembro

Horário: 16h

Baile da Mulher Preta

Dia: 26 de novembro

Horário: 15h

Pagode do Pipa

Dia: 27 de novembro

Horário: 18h

Endereço: Rua Camerino, 60, Centro – RJ

Entrada: Gratuita

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via