Início » Um método difícil para manter a ética 

Um método difícil para manter a ética 

por Waleria de Carvalho
O Método Grönholm

Até onde você iria por uma vaga de emprego? É essa provocação cheia de ironia que os diretores Lázaro Ramos e Tatiana Tibúrcio fazem ao público, com a comédia O Método Grönholm, que começa a ser vista em São Paulo, a partir da sexta-feira, 24 de junho de 2022, no Teatro Unimed. No elenco, Luis LobiancoRaphael LogamGeorge Sauma e Anna Sophia Folch vivem a irresistível história de quatro executivos, desempregados ou em fase de transição de carreira, os últimos selecionados que se reúnem em uma sala fechada de uma multinacional para conseguir o emprego dos sonhos. O que eles não imaginavam é que, nesta prova final do processo de seleção, seriam submetidos a algumas situações surpreendentes, outras constrangedoras, sempre recheadas de revelações, falta de escrúpulos, crueldade, sarcasmo e humor ácido, em um clima de crescente tensão.

Este é o mote da aclamada obra escrita em 2003 pelo catalão Jordi Galcerán, que, de forma muito inteligente e divertida, conta as dificuldades que muita gente enfrenta na busca por uma boa vaga de trabalho e tudo aquilo que as pessoas fazem para conseguir seus objetivos. A comédia é um sucesso ao redor do mundo há 20 anos, tendo originado o filme espanhol El Método, dirigido por Marcelo Piñeyro, em 2005, e lançado no Brasil com o título O que você Faria?“O texto do Jordi Galcerán fala sobre métodos pouco ortodoxos para selecionar um profissional para uma empresa, fazendo deliciosas provocações sobre os comportamentos reais das pessoas em momentos como este, em que um processo de seleção vira um combate. Assim que o grupo se reúne para a avaliação, aparece a informação de que um deles é um funcionário infiltrado na empresa”, adianta o diretor Lázaro Ramos, que, em 2007, encarnou um dos candidatos da primeira versão brasileira de O Método, ao lado Taís Araújo, Ângelo Paes Leme e Edmilson Barros.

O fictício Método Grönholm, imaginado por Galcerán, consiste em um rígido processo de seleção do perfil mais adequado a uma vaga de emprego, fazendo com que os próprios candidatos que foram selecionados para a última fase eliminem quem eles mesmos julgam como menos aptos à função. Confinados por vontade própria em um ambiente controlado, os candidatos devem obedecer a instruções e encarar desafios, idealizados de modo a que surjam conflitos e desconfianças entre o grupo, ao mesmo tempo em que segredos sejam revelados.

Com mais de 30 espetáculos como ator, Lázaro Ramos reitera com O Método sua paixão também pela direção: no teatro já assinou as peças “Antes do Ano Que Vem” (estrelada por Mariana Xavier e encenada este ano no palco do Teatro Unimed), “Namíbia, Não”, “Campos de Batalha”, “O Jornal” e “O Topo Da Montanha”. No cinema, Lázaro dirigiu seu primeiro longa-mentragem de ficção “Medida Provisória”, ainda em cartaz nos cinemas, e, ao lado de Thiago Gomes, o documentário “Bando, um filme de”, sobre o Bando de Teatro Olodum. Na codireção do espetáculo, está a atriz, preparadora de elenco e diretora Tatiana Tibúrcio que tem no currículo três novelas na Rede Globo, cinco peças, uma indicação ao Prêmio Shell de melhor atriz, além de trabalhos como pesquisadora e diretora de tv, teatro e cinema.

“Para nós, da Unimed Nacional, é uma enorme felicidade ter a oportunidade de levar ao público uma peça de sucesso mundial e com direção do Lázaro Ramos, que hoje, sem dúvida nenhuma, é um dos principais artistas brasileiros. Temos a certeza de que será uma temporada de sucesso. Convidamos o público a vir ao Teatro Unimed, pois a arte alimenta alma e também promove a saúde”, afirma Luiz Paulo Tostes Coimbra, presidente da Unimed Nacional.

“O Teatro Unimed faz questão de receber bem e de braços abertos o público paulistano e a todos que visitam a cidade de São Paulo. Exatamente como faz o Edifício Santos-Augusta, com o Perseu Coffee House e o Casimiro Ristorante, que muita gente tem apontado como seus pontos de encontro preferidos na cidade. E para nós é uma alegria imensa somar a isto tudo um espetáculo de alta qualidade e feito com tanto carinho, como O Método”, declara Fernando Tchalian, CEO da desenvolvedora Reud, controladora do Teatro Unimed.

Ficha Técnica

  • Autor: Jordi Galceran
  • Tradução e Direção: Lázaro Ramos
  • Codireção: Tatiana Tíbúrcio
  • Elenco: Luis Lobianco, George Sauma, Raphael Logam e Anna Sophia Folch
  • Figurino: Tereza Nabuco
  • Direção de Arte: Mauro Vicente Ferreira
  • Assistentes: Rogério Chieza e João Vithor de Carli
  • Design de Luz: Ana Luzia Molinari de Simoni
  • Assistente – Design de Luz: Hermes Ericeira
  • Operador de Som: Fernando Castro
  • Fotos de ensaio: Luciana Mesquita
  • Fotos: Chico Cerchiaro
  • Tratamento de Imagem: Marisa Tomas
  • Vídeo: Camisa Preta Filmes
  • Assistente de Produção Rio: Thais Pinheiro
  • Gerente Técnico: Reynold Itiki
  • Comunicação: Dayan Machado 
  • Assessoria de Imprensa: Fernando Sant’ Ana
  • Assessoria Jurídica: Carolina Simão 
  • Produção Executiva: Viviane Procópio
  • Direção de Produção: Radamés Bruno
  • Produção e Realização: LPLAZ Produções, Curumim Produções e BR Produtora
  • Idealização: Lázaro Ramos e Anna Sophia Folch

O Método Grönholm Teatro Unimed

  • Ed. Santos Augusta, Al. Santos, 2159, Jardins, São Paulo
  • Estreia: sexta-feira, 24 de junho de 2022
  • Curta temporada: de 24 de junho a 31 de julho de 2022
  • Horários: sextas e sábados, às 21h. Domingos, às 18h
  • Valores: Inteira – R$ 100,00 (plateia), R$ 80,00 (balcão). Meia-entrada – R$ 50,00 (plateia) e R$ 40,00 (balcão). Clientes Unimed têm 50% de desconto com apresentação da carteirinha. Descontos não cumulativos.
  • Horários da Bilheteria: Sexta e sábado, das 13h30 às 21h30. Domingos, das 10h30 às 18h30.
  • Duração: 70 minutos
  • Classificação: 12 anos
  • Capacidade: 249 lugares
  • Gênero: Comédia
  • Atenção: Não será permitida a entrada na sala após o início do espetáculo, não havendo a devolução de valores ou troca de ingressos para outra data.
  • Acessibilidade: Ingressos para cadeirantes e acompanhantes podem ser reservados pelo e-mail contato@teatrounimed.com.br
  • Recomenda-se o uso de máscara durante todo o espetáculo.
  • Estacionamento com manobrista: R$ 30,00 (preço único)
  • Vendas pela internet: www.sympla.com.br/teatrounimed
  • www.teatrounimed.com.br
  • https://www.facebook.com/TeatroUnimed
  • https://www.instagram.com/teatrounimed/
  • https://instagram.com/saopauloteatro
  • Redes sociais da peça (Twitter, Facebook, Instagram): @ometodogronholm

Garotas Mortas ganha adaptação teatral 

Garotas Mortas

Garotas Mortas – Foto: Sergio Silva

Três feminicídios impunes ocorridos na Argentina, ao longo da década de 1980, foram o ponto de partida do livro Garotas Mortas de Selva Almada, publicado no Brasil pela editora TODAVIAA partir da investigação desses casos, a autora discute diferentes aspectos da misoginia e da violência de gênero. O livro ganha agora uma adaptação para o teatro assinada pela coletiva Palabreria, encabeçada pelas artistas pesquisadoras Fernanda MachadoLuiza Romão e Sofia Boito, com estreia no dia 30 de junho de 2022, quinta-feira, 21h, no Teatro Cacilda Becker, na Lapa, em São Paulo.

 Para a encenação do espetáculo, as artistas criaram uma linguagem de teatro-cinema em que palco e tela estão sempre em diálogo; isto é, as projeções são indispensáveis para a cena ao vivo, e a cena ao vivo é indispensável para a projeção. Esse aspecto é acentuado pela ausência de som no vídeo. A sonoplastia é executada ao vivo por Canhestro, sob direção de Dani Nega.

 Assim como o livro de Selva Almada, o espetáculo é composto por diferentes registros narrativos. Para cada um deles, as artistas criaram uma linguagem audiovisual, passando por filmes analógicos, imagens de arquivo, curta-metragens, entre outras. Os vídeos foram realizados pela Coletiva Palabreria em parceria com diversas/os artistas do audiovisual e contou com a participação de 24 atores e atrizes. 

A partir das histórias das três mulheres assassinadas – Maria Luísa, Andrea e Sarita – o espetáculo Garotas Mortas articula um pensamento crítico sobre o patriarcado na América Latina. “Nosso intuito é pensar como essas histórias específicas, contadas pela autora em seu livro, revelam uma violência de gênero estrutural, com dimensões continentais, e que continua matando milhares de mulheres”, comentam as artistas. O projeto do espetáculo foi contemplado pelo 13 edição do Prêmio Zé Renato da Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura de São Paulo.  

Sinopse

A peça é uma adaptação do livro homônimo da escritora argentina Selva Almada, e narra a investigação de três feminicídios, não resolvidos, ocorridos nos anos 80. O espetáculo articula a história de vida das garotas assassinadas, reflexões sobre violência de gênero e feminismo a partir de uma linguagem de cinema-teatro.

A autora

Selva Almada nasceu em Entre Ríos, Argentina, em 1973. Vem sendo considerada pelos leitores e pela melhor crítica uma das grandes revelações da literatura latino-americana. Tem romances e livros de contos publicados, entre eles o romance Garotas Mortas  (2018) e Não é um rio (2021), publicados no Brasil pela editora Todavia. 

Integrantes

Fernanda Machado – Artista e pesquisadora do corpo na cena. Doutora e mestra em Artes Cênicas pela ECA/USP. Em Bruta, sua pesquisa atual, investiga bruxaria e feminismo na América Latina.

Luiza Romão – Poeta, atriz e performer. Mestranda em Teoria Literária e Literatura Comparada (USP). Autora dos livros Coquetel Motolove, Sangria e Também guardamos pedras aqui.

Sofia Boito – Artista-pesquisadora interessada em linguagens de fronteira entre artes cênicas, literatura e artes visuais. Doutora e Mestre em Artes Cênicas pela ECA-USP, foi professora temporária de dramaturgia no mesmo departamento.

Ficha Técnica

  • GAROTAS MORTAS​ de Selva Almada
  • Tradução: Sergio Molina
  • Concepção e Direção Geral: Coletiva Palabreria
  • Encenação, adaptação dramatúrgica e elenco: Fernanda Machado, Luiza Romão e Sofia Boito
  • Direção de cena: Joana Dória
  • Direção Musical: Dani Nega
  • Musicista em cena: Canhestro
  • Iluminação: Marisa Bentivegna
  • Assistente de iluminação: Yasmin Santos
  • Cenografia, Figurino e adereço: Érika Grizendi
  • Edição e criação do vídeo em cena: Sérgio Silva
  • Videomapping: Vic Von Poser
  • Preparação vocal: Lucia Gayotto
  • Preparação corporal: Mônica Augusto
  • Identidade visual: Laura Nakel
  • Fotografia: Sérgio Silva
  • Teaser: Diogo de Nazaré
  • Assessoria de Imprensa e Redes Sociais: Márcia Marques – Canal Aberto
  • Produção Executiva: Lucas Pradino
  • Direção de Produção: Iza Marie Miceli

​​​EQUIPE DE CINEMA

  • ​​Direção dos curtas-metragens e entrevistas (Skype): Ana Julia Travia e Jéssica Queiroz
  • Direção dos videoarte: Sérgio Silva
  • Direção, laboratorista e edição em Super 8: Vinícius Campos
  • Direção de fotografia dos curtas-metragens e entrevistas: Laís Aranha e Renata Pegorer
  • Direção de fotografia de Super 8 e laboratorista: Rodrigo Sousa & Sousa
  • Direção de arte (vídeos): Leila Tomás
  • Assistência de direção dos curtas-metragens: Bianca Medina
  • Assistência de câmera dos curtas-metragens: Janaína Carvalho, Keiko Kataoka e Bárbara Balhe.
  • Edição (curta-metragens): Bruna Forte
  • Edição (entrevistas): Luiza Romão
  • Edição (videoarte), imagens de arquivo e animação: Sérgio Silva
  • ​Produção executiva: Coletiva Palabreria

​​ELENCO CONVIDADO (participação em vídeo)

André Cezar Mendes, Ariane Aparecida, Cybele Jacome, Érica Ribeiro, Flávio Barollo, Glauber Pereira, Ícaro Rodrigues, Jéssica Nascimento, Joca Andreazza, Klarah Lobato, Larissa Nunes, Lilian Regina, Lilith Cristina, Lorena Andrade, Luciana Fontes, Lucienne Guedes, Marina Merlino, Mayra Coelho, Paula Klein, Romário Oliveira, Sérgio Siviero, Tatí Ribeiro, Vinícius Neri e Walter Balthazar

Serviço

Garotas Mortas, de Selva Almada

  • 30 de junho a 24 de julho de 2022. Quinta, sexta e sábado, 21h; domingo, 19h
  • Grátis | Retirada de ingressos com 1h de antecedência
  • Local: Teatro Cacilda Becker | Endereço: R. Tito, 295 – Lapa, São Paulo – SP, 05051-000
  • Capacidade: 198 lugares
  • Duração: 80 min
  • Classificação indicativa: 12 anos
  • Telefone: (11) 3864-4513

Homens Pink no Palco Giratório 

Homem Pink

Homem Pink

Homens Pink é uma performance documental solo de Renato Turnes, de Santa Catarina, que parte dos relatos de homens gays idosos para atualizar memórias de resistência e celebrar a experiência de sobreviventes. A performance é fruto do projeto que inclui ainda um filme documentário, de mesmo nome, que mostra o encontro entre o ator e os 09 senhores gays que compartilharam suas memórias e que são a base da dramaturgia original.

Memórias pessoais do performer se fundem a essas lembranças emprestadas: a infância, o sexo, o fervo, a epidemia, a luta e a inexorável passagem do tempo. O orgulho de existir é festejado em fragmentos épicos que revivem espectros narrativos através de histórias, fotos, vídeos e objetos que reelaboram a experiência coletiva de corpos dissidentes. 

No dia 27/6, às 16h, lançamento com roda de conversa sobre o espetáculo no canal youtube do Sesc Brasil. E nos dias 28 a 30 de junho e 5 a 7 de julho, apresentações do espetáculo no mesmo canal. youtube.com/SescBrasil

 Palco Giratório

O projeto é realizado em quatro etapas, começou em maio e vai até novembro. Em cada uma, três trabalhos serão apresentados. Além das exibições de espetáculos, haverá ‘ativações cênicas’, conversas digitais com os artistas antes da estreia dos trabalhos na programação, ‘intercâmbios’ online entre os artistas nacionais e locais, oficinas de crítica que percorrerá todas as etapas.

O público vai ser apresentado a 12 obras cênicas digitais e 1 proposta de mediação cultural produzidas no período da pandemia de Covid 19. O Palco Giratório vai revisitar e permitir a experimentação de tais obras como oportunidade para refletir sobre os impactos dessas criações, que usaram meios digitais na produção cênica.

As transmissões serão diferenciadas, mas todas ocorrerão em ambiente virtual. Em 2022 serão realizadas 162 apresentações artísticas e 200 ações formativas. Também ocorrerão apresentações de artistas e grupos locais, em formato digital ou presencial, nos estados brasileiros e no Distrito Federal. Ao longo do ano, será mobilizado um conjunto aproximado de 103 coletivos artísticos de todo o país. 

Para mais informações e programação completa, acesse o site: www.sesc.com.br/palcogiratorio.

SERVIÇO

Últimas semanas para inscrições de projetos artísticos no edital do Sesc RJ

Selecionados vão compor parte da programação cultural do Sesc RJ em 2023. FOTO: espetáculo Candeia, do grupo potiguar Estação de Teatro, selecionado para a temporada 2022. Edital é aberto a todo o país.

O Sesc RJ recebe até o dia 8 de julho inscrições de propostas artísticas no âmbito do Edital de Cultura Sesc RJ Pulsar 2022/2023. A iniciativa se propõe a fomentar e apoiar a produção artística e cultural, em suas diversas manifestações, comprometendo-se com o estímulo aos processos artísticos em desenvolvimento, com a formação de público e com a inclusão social. No total, serão destinados R$ 30 milhões para as produções artísticas selecionadas – o montante compreende este edital principal e seus desdobramentos, que serão lançados ainda este ano, para outros projetos culturais estratégicos.

“Em 2021, lançamos a primeira edição do Edital Sesc RJ Pulsar, e o sucesso da iniciativa pode ser observado hoje em dia nos nossos equipamentos culturais, que estão recebendo uma enorme variedade de obras artísticas, de elevada qualidade técnica e com conteúdos de grande relevância social. Este ano, estamos consolidando o Edital como uma ferramenta de democratização da cultura e de fomento a esse setor da economia que foi bastante afetado durante a pandemia, merecendo por isso toda a nossa atenção”, diz Antonio Florencio de Queiroz Junior, presidente do Sesc RJ e do Sistema Fecomércio RJ.

São aceitos projetos de todo o Brasil de exposições de artes visuais, de audiovisual expandido, espetáculos teatrais, circenses e de dança, temporadas de teatro, dança e circo, realizações literárias, apresentações musicais, além de licenciamento de curtas-metragens, destinados aos públicos adulto e infantil.

A apresentação das obras ocorrerá em diferentes ambientes como espaços expositivos, salas de teatro, auditórios e espaços abertos dentro das unidades do Sesc no estado do Rio de Janeiro. Os valores destinados a cada produção dependem do porte e da linguagem artística.

Podem se inscrever pessoas jurídicas estabelecidas no Brasil, com ou sem fins lucrativos, de natureza cultural, legalmente constituídas, além de Microempreendedores Individuais (MEI). As inscrições podem ser feitas por meio de formulário eletrônico disponível no site do Sesc RJ (www.sescrio.org.br)

A seleção se dará em duas etapas, sendo a primeira de caráter eliminatório, quando serão avaliadas a documentação e adequação técnica da proposta. Na segunda etapa, os projetos serão analisados por uma Comissão de Seleção e Avaliação composta por profissionais de notório saber da arte e da cultura e por representantes do Sesc RJ que atuam no planejamento e no desenvolvimento da programação cultural da instituição no estado do Rio de Janeiro.

Reconectar, movimentar e impulsionar

O conceito do edital está amparado em três pilares, representados pelos verbos “reconectar”, “movimentar” e “impulsionar”. A intenção é reconectar o artista com o palco, movimentar a relação dele com o público do Sesc RJ e impulsionar o fazer artístico em todas as suas esferas. O título “Pulsar” remete à ideia de “estar vivo”, numa alusão à resistência da Cultura diante da pandemia da Covid-19. 

Confira o cronograma

  • Inscrições – De 9 de junho até as 17h de 8 de julho de 2022
  • Previsão de divulgação do resultado – 28 de outubro de 2022

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via