Estudo da Husky aponta alta de 381% em influenciadores digitais que recebem em dólar

Husky, startup de câmbio que oferece transferências internacionais sem burocracia, acaba de divulgar seu novo estudo sobre o aumento do número de criadores de conteúdo que recebem pagamentos de plataformas internacionais. Entre 2021 e 2023, a pesquisa apontou um crescimento de 381% no número de creators que ganham em dólar pelo conteúdo publicado online. Redes sociais como YouTube e Instagram estão entre as mais usadas pelas novas personalidades da internet, e a maioria dos influenciadores digitais (67%) recebem até US$ 1 mil por mês, o que equivale a mais de R$ 5 mil na cotação atual.

O interesse em ingressar na carreira de criador de conteúdo também cresceu: o número de buscas no Google pelo termo “influenciador digital” aumentou em 100% no período entre 2018 e 2022, o que corresponde a mais de 526 mil pesquisas realizadas por mês. O Instagram se destaca como a rede social mais procurada, com mais de 360 mil pesquisas, seguido do YouTube (15.300), TikTok (11.500) e Twitter (10.500). Entre as principais dúvidas dos usuários, estão “como virar influenciador” e “como conseguir seguidores”. A compra de seguidores nas redes sociais também é um assunto em alta, com mais de 60 mil buscas por mês, embora a prática seja proibida por todas as plataformas.

O fenômeno pode ser explicado pela oportunidade de monetização dos perfis nas redes sociais. É possível aumentar a renda a partir de parcerias publicitárias e conteúdo patrocinado por marcas, mas algumas plataformas, como o YouTube, remuneram de acordo com o número de visualizações. “A partir de 1 mil inscritos no canal, o youtuber já pode ganhar em dólar pelos seus vídeos. Os pagamentos são feitos pelo Google Adsense via transferência internacional, por isso é importante saber como receber esse dinheiro do exterior”, explica Luis Evangelista, Head de Business Development na Husky. Para entrar no modelo de monetização do YouTube, também é preciso ser maior de 18 anos e ter mais de 4 mil horas de visualizações nos últimos 12 meses.

O site atrai cerca de 120 milhões de brasileiros por mês, e mais de 20 mil canais no YouTube Brasil já ultrapassaram a marca de 100 mil seguidores. No entanto, esse não é o único meio em que os criadores de conteúdo podem monetizar seus vídeos. A Twitch, plataforma de streaming muito utilizada pelo público gamer, também oferece ganhos em dólar para os canais com mais visualizações. “Percebemos que as transmissões ao vivo da Twitch tem ganhado espaço entre os creators que recebem pagamentos internacionais”, acrescenta Evangelista.

Os dados também apontam que, em média, um influenciador recebe US$ 6,3 mil por mês em pagamentos internacionais pela Husky, cerca de R$ 31 mil na cotação atual. “Apesar de boa parte dos creators iniciantes embolsar algo em torno de US$ 100 por mês, que é o valor mínimo do saque do Google Adsense, existem influenciadores cujos ganhos podem ultrapassar os US$ 100 mil mensais. É um mercado que está muito aquecido e que oferece um bom retorno financeiro para os criadores de conteúdo”, completa o Head de Business Development.

Para acessar o estudo na íntegra, acesse a página do infográfico ou as redes sociais FacebookLinkedinInstagram e Twitter.

Sobre a Husky
Fundada em 2016, a Husky foi vencedora do Start-Up Chile 2017 e do Parallel 18 no ano seguinte, em Porto Rico. Remota desde o primeiro dia, a fintech já movimentou mais de R$ 2,7 bilhões desde sua fundação e tem o melhor custo-benefício do mercado para transferências internacionais sem burocracia. Empresas estrangeiras confiam na Husky para pagar seus funcionários no Brasil, e os usuários preferem a Husky por ser a melhor e mais rápida solução para receber do exterior. Em novembro de 2022, a Husky foi adquirida pela Nomad.