Início » Uma Relação Tão Delicada, da francesa Loleh Bellon, em cartaz no Teatro Uol até 26 de fevereiro

Uma Relação Tão Delicada, da francesa Loleh Bellon, em cartaz no Teatro Uol até 26 de fevereiro

por Waleria de Carvalho
Uma relação tão delicada

Depois de uma temporada bem-sucedida na capital carioca, Uma Relação Tão Delicada, nova versão para o premiado texto da francesa Loleh Bellon, pode ser visto no Teatro Uol, em São Paulo, até 26 de fevereiro de 2023. O espetáculo tem direção de Ary Coslov e é estrelado pelas atrizes Amanda Acosta e Rita Guedes, que idealizou a nova montagem.

Escrita em 1984, “De Si Tendre Liens” (nome original em francês) foi montada no Brasil pela primeira vez em 1989, em uma encenação vencedora dos prêmios Molière e Shell, estrelada por Irene Ravache e Regina Braga. Já na França, a obra ganhou o Grand Prix du Théâtre da Academia Francesa em 1988, e, recentemente, ganhou uma nova montagem em 2017.

A trama mergulha na relação de duas mulheres que estão unidas pelo amor, terno e profundo. Em um diálogo envolvente e emocionante, mãe e filha expõem suas memórias de uma vida conjunta. E, nesse encontro, as épocas se confundem e se sucedem em desordem.

Frente a frente estão Jeanne, uma mulher já adulta e emancipada que tem a própria família, e Charlotte, a mãe que envelheceu e perdeu a autonomia. A criança desejosa da presença e do amor de sua mãe é sucedida pela mãe, enfraquecida pela idade, e que acaba por reproduzir a mesma demanda que sua filha quando criança. 

Uma Relação Tão Delicada propõe reflexões sobre o interior da relação entre mãe e filha, sobre o envelhecimento e sobre como o sentimento de amor vai se transformando ao longo dos anos. E, como o próprio nome antecipa, a peça ainda mergulha naquilo que há de mais frágil e singular na relação entre as duas: os choques, as tensões, as incompreensões e as cobranças.

Não é preciso ser mulher, mãe ou filha, para experimentar as várias ressonâncias que a encenação permite sentir. Todos podem se identificar nas emoções que marcam as memórias de infância da filha, e que ainda se faz presente em sua vida adulta; como também, com a mãe, que parece sentir os mesmos temores que sua filha com o passar dos anos.

Sinopse

Uma Relação Tão Delicada mergulha naquilo que há de mais frágil e singular da relação entre mãe e filha. Tem como personagens centrais uma mulher divorciada, Charlotte, e sua filha, Jeanne. No presente de seus diálogos, que trazem as memórias de uma vida conjunta, as épocas se confundem, se sucedem em desordem. É assim que a criança desejosa da presença e do amor de sua mãe é sucedida pela mãe, enfraquecida pela idade, e que acaba por reproduzir a mesma demanda que sua filha quando criança. Frente a frente estão agora Jeanne, mulher adulta, emancipada, que tem a sua própria família, enquanto Charlotte envelheceu e perdeu em autonomia. É dessa forma que se encena a relação entre uma mãe (da fase adulta à velhice) e uma filha (da infância à fase adulta) unidas por um vínculo amoroso, terno e forte.

Rita Guedes

Aos 16 anos fundou a Companhia de Teatro Roda Viva, em Catanduva/SP. Ao longo de sua carreira atuou em 17 peças de teatro, destacando o drama de Dias Gomes Meu Reino por um Cavalo, e produziu e atuou na comédia Qualquer Gato Vira Lata tem uma Vida Sexual mais Sadia que a Nossa. Na teledramaturgia brasileira atuou em 10 novelas na Rede Globo, bem como em 32 séries em streamings. Conta também com 9 longas-metragens em sua trajetória artística. Ganhou o prêmio de TV Antena de Ouro como melhor atriz pela novela Despedida de Solteiro, foi indicada para o prêmio de cinema Kikito (Festival de Gramado), como melhor atriz por Sintomas, indicada para o Kikito como melhor atriz por Procuradas e indicada para o prêmio de teatro APETESP como melhor atriz pela comédia Qualquer Gato Vira Lata.

Sobre Amanda Acosta

Iniciou sua carreira com quatro anos, como cantora mirim e aos 8 anos entrou para o grupo musical Trem da Alegria. No teatro interpretou Bibi Ferreira no musical Bibi, Uma Vida em Musical, foi Carmen Miranda no musical Carmen, a Grande Pequena Notável e Serena em As Cangaceiras, Guerreiras do Sertão. Na teledramaturgia se destacou em O Mapa da Mina, novela na TV Globo, Chiquititas e Poliana Moça no SBT.  Ganhou título de melhor atriz nas seguintes premiações: APCA (SP); Prêmio Bibi Ferreira (SP); Reverência (SP); CESGRANRIO (RJ); APTR (RJ); Botequim Cultural (RJ); Destaque Imprensa Digital; Contigo de Teatro e Qualidade Brasil. Também foi indicada ao prêmio Shell (RJ) e Aplauso Brasil (SP).

Ficha Técnica

  • Dramaturgia: Loleh Bellon
  • Direção: Ary Coslov
  • Adaptação: Rita Guedes
  • Elenco: Rita Guedes e Amanda Acosta
  • Iluminação: Aurélio De Simoni
  • Música: João Paulo Mendonça
  • Cenografia: Marcos Flaksman
  • Figurino: Tiago Ribeiro
  • Visagismo: Branca Di Lorenzo
  • Direção Corporal: Marcelo Aquino
  • Design Gráfico: Letícia Andrade
  • Direção de Produção: Marcia Martins
  • Coordenação de produção e produção: Rita Guedes
  • Prestação de contas: Heloisa Lima
  • Pintura de Arte: Bidi Bujinowski
  • Fotografia: Jacson Vogel
  • Assessoria de imprensa: Pombo Correio
  • Contabilidade: Saga Consulting
  • Advogado: Helder Galvão
  • Idealização: Guedes Filmes

Serviço

Uma Relação Tão Delicada, de Loleh Bellon 

  • Temporada: Até 26 de fevereiro, às sextas, às 21h; e aos sábados e domingos, às 20h
  • Teatro Uol – Shopping Pátio Higienópolis – Avenida Higienópolis, 618, Higienópolis
  • Ingressos: Sextas – Setor A: R$100 e Setor B: R$70 | aos sábados – Setor A: R$120 e Setor B: R$90 | aos domingos – Setor A: R$90 e Setor B: R$70
  • Classificação: 14 anos 
  • Duração: 90 minutos 
  • Capacidade: 300 lugares
  • Acessibilidade: local acessível para cadeirantes (2 lugares) 

Peça aborda contradições e Injustiças de um país imaginário

Gabinete de Curiosidades

Gabinete de Curiosidades – Foto de Vilmar Carvalho

Gabinete de Curiosidades se passa no ano de 2040, em um velho asilo público, prestes a fechar, na capital Corrúpnia, um país imaginário, cheio de contradições e injustiças. Uma história sobre dois atores nonagenários, moradores desse asilo, que descobrem o lançamento de um edital de financiamento para a montagem de um novo espetáculo. As personagens trazem melancolia e muito humor, entre falas, lembranças, literatura e clássicos, versam sobre seus tempos de glória nos palcos, textos imortais e elaboram um plano para receber apoio financeiro à iniciativa artística.

Com dramaturgia de Gilberto Schwartsmann, direção de Luciano Alabarse, o espetáculo traz no elenco, os atores gaúchos Arlete Cunha e Zé Adão Barbosa, com participação de Fernando Zugno. DGabinete de Curiosidades estará em São Paulo, no palco do Teatro Anchieta, do Sesc Consolação, de 13 a 22 de janeiro – sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 18h.

“Eu quis fazer uma declaração de amor ao teatro. Ao mesmo tempo, falar sobre o preço da ignorância. Uma sociedade que não valoriza a cultura tem mais risco de ser manipulada por indivíduos sem virtudes”, assegura Gilberto Schwartsmann, que teve um texto seu adaptado ao teatro pela primeira vez e assina a dramaturgia da montagem.

Quando Alabarse leu o texto de Gilberto Schwartsmann pela primeira vez, reconheceu eixos dramatúrgicos relevantes, pelos quais a direção do espetáculo poderia e deveria seguir: a solidão dos personagens – dura, cruel, lírica, turbulenta; dois velhos jogados, e esquecidos, num asilo público; as falhas e insuficientes políticas públicas relacionadas à velhice e à terceira idade; o entorno político desse descaso institucional, intenso e permanente, com a cultura e com a velhice. Nesse contexto realidade e ficção se misturam borrando fronteiras, uma homenagem à própria história da dramaturgia ocidental. Beckett, Ionesco, Brecht, além de muitos outros nomes da história teatral, montam uma aula primorosa sobre dramaturgia.

“Para mim, homem de teatro prestes a completar 50 anos de carreira, dirigir um espetáculo que reverencia dramaturgos e atores, ter em mãos um texto debruçado sobre os sonhos e as dificuldades da profissão, os ossos do ofício, o inventário teatral que nos foi legado, e, – com tudo isso, por tudo isso -, sentir em mim, intacto, o amor pelo Teatro, foi revigorante, radiante e doloroso. A empatia com o texto foi fulminante. Revelar mais um dramaturgo gaúcho, foi a derradeira razão para aceitar essa empreitada. Gilberto Schwartsmann, amigo a quem tanto admiro, me surpreendeu mais uma vez. Encarei sua proposta dramatúrgica disposto a dar minha contribuição à beleza criativa de seu texto”, conta Luciano Alabarse.

Gilberto Schwartsmann, que assina a dramaturgia do espetáculo, celebra sua criação nesta montagem teatral. O texto original é da obra literária O Sol Brilhou na Corrúpnia. “O autor – na solidão de sua escrivaninha – sonha com a possibilidade de que o texto possa, quem sabe, inquietar o maior número possível de mentes da plateia, quando ela deixar a sala de teatro”, deseja Schwartsmann.

Zé Adão Barbosa interpreta Oneirópolos, enquanto Arlete Cunha dá vida a Disoíonos, que em grego significam otimista e pessimista, respectivamente. Zé e Arlete em meio a suas genialidades e atenção aos detalhes vão do drama à comédia em fração de segundos e asseguram a seriedade e ao mesmo tempo conferem leveza ao texto juntos e cada um de seu modo também. “Gabinete de Curiosidades é uma declaração de amor ao teatro, às palavras. À arte enfim. É uma metáfora fascinante sobre a resistência da arte e da cultura em tempos de ignorância e barbárie”, declara Zé Adão. “Um velho ator com suas lembranças e as memórias de uma velha atriz. E vestem retalhos de personagens. E brincam com conhecidas palavras. Alimentam-se nas emoções, nos confrontos, nas tristezas, nos amores. E divertem-se um com o outro nos ecos do teatro das suas vidas”, reflete Arlete. Já a participação de Fernando Zugno no espetáculo quebra um jejum de dez anos longe dos palcos. “Está muito gostoso voltar para os palcos. A peça traz uma tristeza de fundo, mas também tem humor, feito incrivelmente pelo Zé e pela Arlete. Nos divertimos muito. É um trabalho desafiador e delicioso”, celebra Zugno.

Ficha Técnica

  • Dramaturgia: GILBERTO SCHWARTSMANN
  • Direção: LUCIANO ALABARSE
  • Elenco: ARLETE CUNHA e ZÉ ADÃO BARBOSA
  • Participação: FERNANDO ZUGNO
  • Iluminação: MAURÍCIO MOURA e JOÃO FRAGA
  • Trilha Sonora: LUCIANO ALABARSE
  • Operação de Som: LUIZ MANOEL 
  • Figurinos: ANTONIO RABÀDAN
  • Cenário: LUCIANO ALABARSE
  • Cenotécnico: RODRIGO SHALAKO
  • Acessório Lustre: DANIEL JAINECHINE
  • Projeto Gráfico: DIDI JUCÁ
  • Coordenação de Produção: LETÍCIA VIEIRA
  • Produção Executiva: JAQUES MACHADO
  • Produção: PRIMEIRA FILA PRODUÇÕES

Serviço:

Gabinete de Curiosidades  

  • Texto de Gilberto Schwartsmann
  • Direção Luciano Alabarse
  • Com Arlete Cunha, Zé Adão Barbosa e participação de Fernando Zugno.
  • De 13/1 a 22/1/2023 – Sextas e sábados, às 20h, domingos, às 18h.   
  • Local: Teatro Anchieta (280 lugares) – Sesc Consolação
  • Duração:  105 minutos
  • Classificação: Não recomendado para menores de 12 anos
  • Preço: R$40,00 (inteira) | R$20,00 (meia entrada) | R$12,00 (credencial plena) 

 “King Kong Fran” se apresenta no Teatro Cesgranrio, no Rio Comprido

King Kong Fran

King Kong Fran

Indicada ao Prêmio do Humor de Melhor Performance, Melhor Espetáculo e Melhor Texto e Direção, King Kong Fran poderá ser vista nos dias 12, 13, 14 e 15 de janeiro (quinta a sábado às 20h e domingo às 19h), no Teatro Cesgranrio, no Rio Comprido. Neste solo a imagem do King Kong é a metáfora usada pela atriz e palhaça Rafaela Azevedo, idealizadora do projeto, para falar de sexualidade e distinção de gênero na construção social. A tradicional atração circense “Monga” (ou Mulher Gorila) também é referência para a criação. 

A personagem título convida o público a conhecer o avesso dos estereótipos do feminino, invertendo de maneira cômica e irônica a lógica machista e fazendo com que os homens provassem – literalmente – do seu próprio veneno. 

“A Fran não se identifica com nenhum padrão feminino, enquanto palhaça está à margem de tudo isso que é estabelecido. Ela Mostra por meio do exagero cômico, da ironia, da troca de papéis de gênero o quão absurdo são os acordos e símbolos construídos socialmente.”, destaca Rafaela, que assina a dramaturgia e direção em parceria com Pedro Brício. O trabalho conta ainda com a direção musical da cantora e compositora Letrux .

O espetáculo reúne assim a experiência de Rafaela na linguagem cômica e a irreverência e originalidade de Letrux em suas canções com a maestria com que Pedro cria o universo inteligente, crítico e poético de seus personagens. 

Ficha Técnica 

  • Solo de Rafaela Azevedo  
  • Direção e Dramaturgia: Pedro Brício e Rafaela Azevedo 
  • Direção Musical: Letrux 
  • Assistência de Direção: Tamie Panet 
  • Direção de Arte e Cenário: Gabriela Prestes e Carolina Leal 
  • Assistente de Direção de Arte e Cenário: Álvaro Antônio Ferreira 
  • Figurino: Natascha Falcão 
  • Iluminação: Ana Luzia de Simoni 
  • Identidade Visual: Gabriela Prestes 
  • Asses soria de Imprensa: Lyvia Rodrigues (Aquela que Divulga) 
  • Produção: Rafaela Azevedo 

Serviço: 

KING KONG FRAN 

  • Onde: Teatro Cesgranrio 
  • Quando: 12, 13, 14 e 15 de janeiro de 2023 
  • Dia/hora: quinta, sexta e sábado às 20h, domingo às 19h.  
  • endereço: Rua Santa Alexandrina, 1011 – Rio Comprido  
  • Telefone: (21) 2103-9682 
  • Classificação 18 anos.  
  • Ingressos: 
  • R$60 (inteira) e R$30 (meia) 
  • R$40 (com a doação de 1Kg de alimento) 
  • R$30 (assinante Clube O Globo) 
  • R$30 (funcionário Cesgranrio)  
  • R$15 (moradores do Rio Comprido com comprovante) 
  • Venda online: https://bileto.sympla.com.br/event/79114 

Dança, amor, e cartas

Cartas para alguém

Cartas para alguém – Foto de Danilo Sérgio

“Cartas para alguém” fala sobre as relações humanas, de pessoas que a distância separou e de reencontros. De um amor tão grande que nenhuma distância é capaz de separar… Carinho, amor , afeto, redenção, perdão… Qual é o caminho que buscamos para construir as nossas relações em busca de uma felicidade plena? O espetáculo conta por meio de depoimentos reais a busca pela construção ou reconstrução de relações que por algum motivo se distanciaram provando que mesmo, às vezes tão longe, estamos tão presentes! O espetáculo é de classificação livre e abraça toda a família. 

Sobre o Laboratório de Dança Daniel Cortez

 Laboratório é uma Companhia Dança Contemporânea residente na cidade de Nova Iguaçu/RJ criado em fevereiro de 2017 por Daniel Cortez com intuído de quebrar algumas regras acadêmicas e modelos existentes não só no pensar/fazer a dança e a arte contemporânea, mas buscando traçar um caminho pela ousadia, do inusitado e do diferente (Único). Para atingir nosso objetivo, buscamos compreender como se manifesta a dança contemporânea no Laboratório e, especificamente analisar sua trajetória e a de seu coreógrafo no contexto histórico da dança em Nova Iguaçu, bem como suas influências e os aspectos responsáveis pela linguagem construída da Companhia. Procuramos, dessa forma, reconhecer a diversidade de elementos estéticos e a pluralidade de linguagens que laboratório utiliza para manifestar e revelar deste então sua arte. 

Serviço

  •  Local:Teatro Cacilda Becker (RuadoCatete, 338) 
  • Data: 13,14 E 15 DE JANEIRO /2023 Horário: 19h 
  • Classificação: Livre 
  • Duração:60 minutos 
  • Ingressos: R$30,00 (inteira) / R$ 15,00 (meia)

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via