Início » A Alma Imoral na Cidade das Artes
A Alma Imoral

A Alma Imoral na Cidade das Artes

por Redação

“A Alma Imoral”, uma adaptação de Clarice Niskier do livro “A Alma Imoral”, de Nilton Bonder, com supervisão de Amir Haddad, há 17 anos consecutivos em cartaz, faz duas únicas apresentações na Cidade das Artes Bibi Ferreira. 

A peça já foi vista por mais de 600.000 pessoas em mais de 24 cidades brasileiras.  

Em 2023, “A Alma Imoral” comemora 17 anos consecutivos em cartaz. A história da peça começou em junho de 2006 no Rio de Janeiro, quando estreou numa pequena sala de 50 lugares. De lá, seguiu para um teatro de 400 lugares, onde chegou a ficar em cartaz de terça a domingo. Ganhou o Brasil, em teatros de Norte a Sul, sendo assistida até hoje em mais de 24 cidades.

“No teatro é sempre a primeira vez. Quando me perguntam como é possível fazer uma peça tanto tempo sem se cansar eu respondo: assim como é possível amar tanto tempo a mesma pessoa sem se cansar. Nesse caso o tempo é muito subjetivo. Se a relação está viva, está viva. Dá trabalho, mas não cansa.”, afirma Clarice.

“Sempre que me perguntam como é que uma atriz de teatro consegue toda a noite falar a mesma coisa, respondo: é que, na verdade, não há repetição. É assim”. (Clarice Niskier)

A peça fechou seu primeiro ano com três indicações ao Prêmio Eletrobrás de Teatro (Melhor Atriz, Melhor Peça e Melhor Figurino) e chegou ao segundo com duas indicações ao Prêmio Shell (Melhor Atriz e Melhor Figurino), tendo vencido na categoria de Melhor Atriz. Foi ainda contemplada em 2007 pelos Prêmios Caixa Cultural e Caravana Funarte de Circulação Nacional de Teatro, e em 2008 pelo Prêmio Qualidade Brasil de Melhor Atriz.

A PEÇA

A peça desconstrói e reconstrói conceitos milenares da história da civilização – corpo e alma, certo e errado, traidor e traído, obediência e desobediência.

Sozinha no palco, Clarice Niskier conta histórias e parábolas da tradição judaica, valendo-se somente de uma cadeira e um grande pano preto que, concebido pela figurinista Kika Lopes, transforma-se em oito diferentes vestes – mantos, vestidos, burcas. O espaço cênico concebido por Luis Martins é limpo e remete a um longo corredor em perspectiva.

PRÊMIOS E NÚMEROS

. Vencedora do Prêmio Shell RJ 2007 de Melhor Atriz

. Mais de 600.000 espectadores

. Apresentações em mais de 24 cidades brasileiras

. 3 indicações ao Prêmio Eletrobrás de Teatro 2006

. 2 indicações ao Prêmio Shell RJ 2007 (melhor atriz e melhor figurino)

. Prêmio Caixa Cultural 2007

. Prêmio Caravana Funarte de Circulação Nacional de Teatro 2007

. Prêmio Qualidade Brasil SP 2008 de Melhor Atriz

. Projeto selecionado pelo FATE 2012 para Circulação no Município do Rio de Janeiro

. Projeto selecionado pelo Edital Petrobras Circulação Nacional 2014 Teresina / Maceió

. Participação em dezenas de Festivais de Teatro pelo país

. Participação em dezenas de eventos corporativos

. Temporada de mais de 10 anos em SP no Teatro Eva Herz

. Estimada em mais de 3.600 apresentações desde a estreia em 2006

. Primeira peça a se apresentar na zona sul do RJ em outubro de 2020 para 10% da plateia quando a pandemia de covid-19 deu uma pequena trégua

“A ALMA IMORAL” FORA DO BRASIL

A adaptação de Clarice Niskier para “A Alma Imoral” já  recebeu várias propostas de montagem no exterior. Teve seus direitos cedidos para a Espanha em 2007 e uma montagem foi autorizada na Argentina, onde esteve em cartaz em 2010, no Teatro Payró, em San Martin, Buenos Aires.

Serviço

Dias 4 e 5 de novembro (sab e dom)

Cidade das Artes – Teatro de Câmara

. Avenida das Américas, 5300 – Barra da Tijuca / RJ Tel: (21) 3325-0591

HORÁRIOS: sab às 20h e dom às 19h / INGRESSOS: R$80 e R$40 (meia) / CAPACIDADE: 439 lugares / ACESSIBILIDADE: Sim / VENDAS ONLINE: www.sympla.com.br / totem e presencial / HORÁRIOS BILHETERIA: 3ª a dom de 13h às 19h; em dias de espetáculo de 13h até 30 min após o início do espetáculo / CLASSIFICAÇÃO: 18 anos / GÊNERO: drama / DURAÇÃO: 80 min

FICHA TÉCNICA

  • Autor do livro “A Alma Imoral”: Nilton Bonder
  • Adaptação, Concepção Cênica e Interpretação: Clarice Niskier
  • Supervisão de Direção: Amir Haddad
  • Cenário: Luis Martins
  • Figurino: Kika Lopes
  • Iluminação: Aurélio de Simoni
  • Música Original: José Maria Braga
  • Preparação Vocal: Rose Gonçalves
  • Direção de Movimento: Márcia Feijó
  • Preparação Corporal: Mary Kunha
  • Cenotécnico, Operador de Luz e Som: Carlos Henrique Pereira
  • Fotos: Dalton Valério, Elenize Dezgeniski e Letícia Vinhas
  • Programação Visual: Studio C e Carol Tuluois
  • Direção de Produção e Coordenação do Projeto: José Maria Braga
  • Realização: Niska Produções Culturais
  • Assessoria de Imprensa: JSPontes Comunicação – João Pontes e Stella Stephany

Você pode gostar

Deixe um comentário

Share via