Início » Ivan Lins lança álbum

Ivan Lins lança álbum

Lançado em 15 de setembro de 2023, My Heart Speaks apresenta os ícones vocais do jazz Dianne Reeves e Jane Monheit, a cantora em ascensão Tawanda e o grande trompetista Randy Brecker

por Redação
Ivan Lins

Ivan Lins é um dos compositores brasileiros mais apreciados e gravados do mundo e um criador de melodias sem igual. Vencedor de quatro prêmios Grammy Latino, Lins gravou cerca de cinquenta álbuns desde 1970, que contêm inúmeras canções, como “Madalena” e “Começar de Novo”, que se tornaram standards no seu país. “Love Dance”, escrita em parceria com seu arranjador de longa data, Gilson Peranzzetta, e o letrista Paul Williams, é o clássico em inglês de Lins. Entre os seus intérpretes contam-se Sarah Vaughan, Peggy Lee, Mark Murphy, Shirley Horn, Blossom Dearie, Carmen McRae, George Benson, Nancy Wilson, Barbra Streisand e Quincy Jones, o que ajudou a impulsionar a carreira de Lins nos Estados Unidos no início dos anos 80.

Em 15 de setembro de 2023, a Resonance Records – o diamante premiado das editoras de jazz independentes – lançará My Heart Speaks, o álbum mais exuberante da carreira de Lins. Interpretando joias raras do seu catálogo, o compositor é apoiado pela sinfonia de 91 peças de Tbilisi, capital da República da Geórgia. Kuno Schmid, o prolífico compositor e arranjador baseado na Alemanha, escreveu as tabelas orquestrais. Um dos fãs de Schmid era o seu lendário antecessor, Johnny Mandel, que ganhou um dos seus cinco Grammys por um arranjo de “Velas” de Lins, incluído no álbum de Jones, The Dude. Mandel chamou o trabalho de Schmid de “tão bom que tenho inveja”.

My Heart Speaks é um banquete de descobertas para os fãs americanos de Lins. Também conta com a participação de Randy Brecker, Dianne Reeves, Jane Monheit e uma novata empolgante, Tawanda, vencedora do Concurso Internacional de Jazz Vocal Sarah Vaughan. As notas de rodapé, que contêm comentários extensos de Lins, foram escritas por James Gavin, o aclamado biógrafo de George Michael, Peggy Lee, Chet Baker e Lena Horne e duas vezes vencedor do Prémio Deems Taylor-Virgil Thomson da ASCAP pela excelência no jornalismo musical.

A voz grave e apaixonada de Lins é um dos sons emblemáticos do pop brasileiro e, em My Heart Speaks, ele apresenta performances intensas de canções que escolheu a dedo. A suntuosa balada “Renata Maria”, sobre uma deusa onírica que aparece numa praia e enlouquece um homem, é uma das duas colaborações de Lins com uma lenda brasileira, o compositor Chico Buarque. “Corpos” data dos anos mais sombrios da ditadura militar brasileira, quando dissidentes políticos estavam desaparecendo. Lins escreveu-a com o seu principal colaborador, Vitor Martins, um dos letristas mais profundos do Brasil.

Jane Monheit, uma intérprete frequente das canções de Lins e uma letrista talentosa e em evolução, escreveu duas das adaptações em inglês ouvidas aqui. “The Heart Speaks” foi gravada pela primeira vez instrumentalmente pelo trompetista Terence Blanchard no seu álbum de 1995 de canções de Lins; a letra de Monheit é introduzida aqui pela vencedora de cinco Grammys, Dianne Reeves. Monheit canta “Rio”, uma homenagem à cidade onde Lins passa metade do ano (ele também tem uma casa em Lisboa). Tawanda canta “I’m Not Alone”, uma versão em inglês do clássico de Lins “Anjo de Mim”. O seu letrista, Will Jennings, escreveu dois êxitos vencedores de Oscar, “Up Where We Belong” e “My Heart Will Go On”.

A banda principal de Lins neste álbum acolhe vários países. Josh Nelson é um pianista de Los Angeles cujo trabalho foi considerado “lírico, harmonicamente rico e elegante” na DownBeat. O guitarrista uruguaio Leo Amuedo tem sido um elemento constante dos grupos de Lins há mais de uma década. O baixista cubano Carlitos Del Puerto fundou a banda latina Irakere, vencedora de um Grammy.

My Heart Speaks era um sonho do fundador do Resonance, George Klabin. Ele sucede Night Kisses, um álbum da Resonance de 2020 com músicas de Lins tocadas pelo clarinetista Eddie Daniels e um quarteto de cordas.

Desde o momento em que Klabin fundou a editora em 2008, a Resonance tem sido consistentemente aclamada, tanto pelas suas edições especiais de material recém-descoberto de lendas como Wes Montgomery, John Coltrane, Bill Evans, Freddie Hubbard e Stan Getz, como pelas suas novas gravações de Claudio Roditi, Toninho Horta, Christian Howes e outros. Os álbuns da Resonance ganharam até agora dois Grammys e quatro nomeações.

Agora vem um lançamento que, para Klabin, pode ser o auge da gravadora. “Na minha opinião”, diz ele, Lins “é tão grande compositor de música brasileira quanto Tom Jobim. A jornada de criação desta obra-prima permanecerá comigo como a experiência mais espiritual e amorosa que tive no campo da produção musical.”

A Resonance Records é uma empresa de discos de jazz que inclui ícones do ritmo que embelezam o catálogo, incluindo Bill Evans, Nat “King” Cole, Wes Montgomery, Sarah Vaughan e inúmeros outros.  Com sede em Beverly Hills, CA, a Resonance Records é uma divisão da Rising Jazz Stars, Inc., uma corporação sem fins lucrativos da Califórnia criada para descobrir as próximas estrelas e promover o jazz. Os atuais artistas da Resonance incluem Tawanda e Eddie Daniels.

www.ResonanceRecords.org

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Share via