Início » Diário de Pilar na Amazônia

Diário de Pilar na Amazônia

por Redação

Através da história da menina Pilar, que embarca numa aventura com seus amigos para deter um grupo de madeireiros predadores, a peça é potencial ferramenta para a educação ambiental das novas gerações.

O espetáculo, um encontro afetivo com a riqueza e o mistério da floresta amazônica, abrange o público de todas as idades, trazendo canções originais, personagens da cultura e mitologia dos povos originários e um elenco diverso formado por indígenas, pretos e brancos de diferentes gerações para exaltar de forma poética e lúdicao povo, flora e fauna amazônicas.

A peça é uma adaptação da obra homônima da escritora e roteirista Flavia Lins e Silva, autora da série literária Diário de Pilar e criadora da série Detetives do Prédio Azul.

Não é todo dia que o público tem a oportunidade de desfrutar de um entretenimento que, em diferentes camadas, dialoga com as crianças, os adolescentes e os adultos ao mesmo tempo. Essa comunicação abrangente e agregadora é um dos grandes trunfos de “Diário de Pilar na Amazônia”, que convida o espectador a um encontro afetivo com a riqueza e o mistério da floresta amazônica.

A peça reúne, de forma não didática, informações pouco conhecidas e muito úteis sobre o bioma da floresta e sua preservação, tornando-se um potencial instrumento de educação ambiental através da arte.

“Estou encantada com a adaptação do livro para a peça. O público vai fazer uma imersão sensorial na Amazônia e certamente sairá muito tocado e transformado”., vibra a autora, Flavia Lins e Silva (que também estreia em outubro “D.P.A. a peça 2 – Os Detetives do Prédio Azul em um mistério em Magowood”).

A equipe encenou em 2018 a peça “Diário de Pilar na Grécia”, da mesma autora, com grande sucesso de público e crítica, ganhando prêmios, sendo apresentada em Portugal e seguindo em circulação por grandes teatros do país até hoje.

SINOPSE

Preocupados com o desmatamento e a destruição da floresta, a menina Pilar, seu amigo Breno e o gato Samba se transportam para a Amazônia onde, ao lado da indígena Maiara, enfrentam um perigoso grupo de madeireiros que depreda sem dó a floresta traficando madeira rio abaixo. Navegando pelos rios Amazonas, Solimões, Negro e Tapajós, os amigos têm encontros surpreendentes com seres encantados da floresta como Iara e Curupira, que se tornam fortes aliados na empreitada dos meninos.

A MONTAGEM

O cenário de Natalia Lana preenche todo o palco com múltiplas e coloridas cordas suspensas em diferentes camadas que representam a floresta e sua profundidade, e por onde surgem e desaparecem os personagens ao logo da ação. Uma gigante escavadeira, que ao entrar ocupa praticamente todo o palco, sintetiza o poder e a gana predadora dos madeireiros clandestinos. Os bonecos de José Cohen, manipulados pelos atores, dão vida a diferentes animais da floresta. Há ainda outros elementos icônicos da região amazônica, como as coloridas e típicas redes para deitar, que recriam o grande barco-gaiola, além de uma representação figurativa da árvore Sumaúma (ou Samaúma), considerada a grande mãe da floresta.

O patrocínio é de VIVO e OCCAM BRASIL, com apoio de MULTIPLAN.

Serviço

ESTREIA PARA PÚBLICO: dia 30 de setembro (sábado), às 16h
ESTREIA PARA CONVIDADOS: dia 1º de outubro (domingo), às 16h
ONDE: Teatro Clara Nunes / Shopping da Gávea
. R. Marquês de São Vicente, 52/3º piso – Gávea / RJ
HORÁRIOS: sábados e domingos às 16h / CLASSIFICAÇÃO: livre e indicada para a partir de 3 anos / DURAÇÃO: 60 minutos / INGRESSOS: R$90 e R$45 (meia); ingresso popular (limitado): R$39 e R$19,80 (meia); combo família 4 ingressos: R$240; combo família 3 ingressos: R$200; valor diferenciado para grupos acima de 25 pessoas R$45 cada / TEMPORADA: até 26 de novembro
*SESSÕES EXTRAS NO DIA 12 DE OUTUBRO ÀS 15H E 17H

FICHA TÉCNICA

Idealização: Miriam Freeland
Texto: Flávia Lins e Silva
Ilustrações: Joana Penna
Direção e Adaptação: Symone Strobel
Elenco: Miriam Freeland, Fernando Melvin, Jorge Neves, Ludimila D’Angelis, Márcio
Mattos, Sávio Moll e Valéria Alencar
Cenário: Natália Lana
Bonecos: José Cohen
Figurino: Luciana Buarque
Iluminação: Felipe Lourenço
Direção de movimento e assistente de direção: Paula Águas
Direção Musical e arranjos: Marco de Vita
Pesquisa de trilha incidental e assistente de direção: Pedro Scovino
Preparação Vocal: Chiara Santoro
Visagista: Sid Andrade
Diretor de palco Maycon Soares
Contrarregras: Leonardo Pacheco e Alipia Mattos
Estagiária de Produção e contrarregra: Ianka de Oliveira
Assistente de Produção: Fernanda Janan
Direção de Produção: Tatianna Trinxet e Miriam Freeland
Coprodução: Constelar – Arte, Diversão e Cultura
Realização: Movimento Carioca Produções Artísticas
Assessoria de Imprensa: JSPontes Comunicação – João Pontes e Stella Stephany

Você pode gostar

Deixe um comentário

Share via